Bebê morto em meio a onda de violência é enterrado em São Bernardo do Campo

Bebê de 1 ano e 7 meses está entre as oito vítimas de mais uma noite de ataques na capital paulista e nos demais municípios da Grande São Paulo

Agência Estado |

Agência Estado

Foi enterrado na tarde desta sexta-feira no cemitério Vale da Paz, em Diadema, na região metropolitana de São Paulo, o bebê de 1 ano e 7 meses, morto na noite de ontem, em São Bernardo do Campo , após ser atingido por um tiro. Familiares mostravam indignação. "Não tem explicação. Esperávamos que houvesse lei. A cidade virou um bangue bangue e ninguém vai devolver ele para mim", disse o avô materno José do Patrocínio Silva, de 53 anos, motorista de transporte escolar.

Leia mais:  SP tem mais uma noite violenta e oito morrem baleados

Violência: Onda de ataques já se espalha pelo interior de São Paulo

Governo: Alckmin minimiza violência e fala em campanha contra São Paulo

O menino estava em um carro - na Estrada Galvão Bueno, no Bairro Batistini - com a mãe, Thamyres Santos Silva Santos Manga, de 22 anos, e com o padrasto Jurandy Luis da Silva Filho, de 20 anos, quando outro carro, com três homens, que tentava ultrapassá-los, disparou três tiros. Um deles atingiu o menino no pescoço. Ele foi levado a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Demarchi, onde já chegou sem vida.

Vítimas: 'Os filhos da gente estão morrendo'

Protesto: Familiares de PMs fazem ato contra violência na Avenida Paulista

Os mesmos homens haviam disparado poucos minutos antes contra outro menor, um jovem de 17 anos. Ele estava na porta de casa com a mãe, o irmão e a namorada quando o carro parou, um dos homens desceu, jogou o menor contra a parede e atirou. O homem ainda tentou atirar novamente, mas a arma falhou. O tiro pegou de raspão na cabeça do jovem. Ele também foi levado a UPA Demarchi, mas passa bem.

Segundo o delegado titular do 3º Distrito Policial de São Bernardo do Campo, Kazuyoshi Kewamoto, o menor de 17 anos já tinha cometido atos infracionais e há indícios de que o ataque seria para acertar dívidas. A família, porém, nega que ele tenha antecedentes criminais. A polícia informou que duas câmeras de segurança de estabelecimentos comerciais podem ter gravado toda a ação e suas imagens serão usadas para tentar identificar os bandidos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG