Estado dobra indenização por PM morto

Para cada familiar de policial civil, militar ou agente penitenciário será pago R$ 200 mil. O anúncio foi feito na quinta-feira e aguarda elaboração de edital para entrar em vigor

Agência Estado |

Agência Estado

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou na quinta-feira (08) que vai dobrar a indenização para os familiares de policiais mortos. Para cada família de policial civil, militar ou agente penitenciário será pago R$ 200 mil. "E não será apenas para o policial no seu trabalho, e sim na sua condição de policial. Aquele caso em que a pessoa estava de folga, mas o óbito foi decorrente da condição policial, o seguro vai cobrir", disse Alckmin.

À paisana: PM é morta com sete tiros em Brasilândia, na zona norte de São Paulo

Oslaim Brito/Futura Press
PM feminina foi atacada com sete tiros, quando chegava em casa com a filha, no bairro Brasilândia, em SP

O anúncio foi feito na quinta-feira (08) durante evento na Secretaria Estadual da Saúde e é uma resposta à onda de violência no Estado. Desde o começo do ano, 90 policiais militares foram mortos. O contrato anterior previa que somente familiares de policiais mortos em serviço ou no trajeto de ida ou volta ao trabalho teriam direito ao seguro. Com assassinatos de policiais da reserva e em dias de folga, o governo reconsiderou a cláusula .

Noite violenta:  Em 5 horas, 11 pessoas são mortas durante ataques na Grande SP

O novo valor, no entanto, não tem data para entrar em vigor. Estudo para elaboração do edital ainda está em curso e só depois disso será feita a licitação.

Violência

Alckmin disse também que o momento de tensão pelo qual o Estado passa está perto de acabar. "As mortes já estão em processo de queda. Eu tenho feito um acompanhamento diário, elas já estão caindo, estão acontecendo em um ritmo bem menor", afirmou. O governador admitiu que os assassinatos são uma reação do crime organizado. Em São Paulo, o Primeiro Comando da Capital (PCC) domina o tráfico de drogas.

Leia mais sobre os ataques à polícia em SP

Alckmin disse também que a parceria com o governo federal está "indo muito bem". Além da transferência de presos paulistas para a Penitenciária Federal de Porto Velho, ele contou que o Instituto de Criminalística trabalha com o governo federal focado nas investigações sobre tráfico de drogas.

"Queremos saber a origem da droga para ter uma ação mais eficaz." A atenção está voltada às fronteiras. Uma reunião com integrantes da agência de ação integrada de segurança deverá ser realizada na próxima segunda-feira (12). As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG