Falha de energia atrasa júri de Carla Cepollina

Ela é acusada de assassinar o coronel Ubiratan Guimarães por ciúme

Agência Estado |

Agência Estado

Uma falha no sistema interno de energia elétrica do Fórum da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, atrasou o início do segundo dia de julgamento de Carla Cepollina, de 46 anos, na tarde desta terça-feira (6). Ela é acusada de assassinar o coronel Ubiratan Guimarães , seu namorado na época, com um tiro no abdome, há seis anos, por ciúme.

Leia também:  TJ manda Carla Cepollina a júri popular por morte de Ubiratan

Parte da casa ficou sem energia elétrica durante mais de três horas. A luz foi restabelecida por volta as 13h e a reunião estava prevista para começar às 13h45, de acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Segundo a Eletropaulo, a causa da interrupção foi uma sobrecarga no sistema interno do fórum, que desligou um elo entre a caixa de energia do local e a rede elétrica. A empresa enviou uma equipe de técnicos para o local.

No primeiro dia do julgamento, nesta segunda-feira, Carla acabou expulsa do plenário por ter interferido no depoimento de uma testemunha, e sua mãe, Liliana Prinzivalli, advogada e defesa, chegou a ser impedida de se manifestar, pelo juiz Bruno Ronchecci de Castro.

Confira ainda:  Prédio onde ex-coronel Ubiratan foi morto passa por perícia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG