Metroviários decidem em assembleia hoje se aceitam proposta do Metrô

Empresa apresentou nova proposta em reunião de conciliação esta tarde, que será votada esta noite pela categoria

Agência Brasil |

Agência Brasil

A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) apresentou hoje (23), em audiência no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), uma nova proposta aos trabalhadores. O termos serão apreciados em assembleia dos metroviários que terá início a partir das 19h. Caso a proposta não seja aceita, os trabalhadores poderão iniciar greve a partir da meia-noite.

Na nova proposta, o Metrô aceitou retornar ao critério usado no ano passado no que se refere à participação nos lucros e resultados (PLR) estabelecendo como valor da parcela fixa R$ 3.251, além de 40% do salário nominal, garantindo o mínimo de R$ 4.140.

Leia também:
Metroviários de SP recusam proposta e podem entrar em greve amanhã
Metrô critica ameaça de 'greve inútil' e diz que sindicato quer fazer SP 'refém'

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários em São Paulo, no entanto, insistiu na proposta apresentada anteriormente, em que a PLR é linear para todos os trabalhadores.

No começo do mês, os trabalhadores adiaram por 20 dias o início de uma possível greve depois de reunião no TRT-SP. Na ocasião, ficou acertado que a empresa deveria apresentar uma nova proposta aos trabalhadores.

Diariamente, 4,3 milhões de pessoas usam as cinco linhas do metrô de São Paulo, que tem 74,2 quilômetros de extensão, de acordo com a assessoria de imprensa do órgão. Uma das linhas (4 – Amarela), no entanto, é operada por uma concessionária. Em maio deste ano, a interrupção do funcionamento do metrô paulistano provocou tumulto e quebra-quebra na zona leste, a mais populosa da capital. A paralisação provocou congestionamento recorde na cidade.

    Leia tudo sobre: metroviáriosgrevesão pauloparalisaçãometrô

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG