Vítimas de atirador têm melhora no quadro de saúde

Administrador de empresas atirou em três pessoas na semana passada após receber um mandado que autorizava sua internação

Agência Estado |

Agência Estado

Futura Press/Arquivo
Fernando Gouveia se entrega à polícia após nove horas de negociação

Duas das três vítimas baleadas pelo administrador de empresas Fernando Gouveia na manhã de quinta-feira (18), na Aclimação, zona sul de São Paulo, apresentaram melhora no quadro de saúde. O técnico em enfermagem Márcio Teles de Lima, de 27 anos, atingido no rosto, deixou a UTI do Hospital Alvorada no domingo (21) e o oficial de Justiça Marcelo Ribeiro de Barros, de 49 anos, alvejado no peito, deveria deixar a UTI do Hospital Bandeirantes nesta segunda-feira, de acordo com a assessoria da unidade. A psicóloga Silvia Helena Godin, de 45 anos, também atingida no rosto por Gouveia, estava internada no Hospital São Camilo, mas não teve o estado de saúde divulgado a pedido da família.

Leia também:  Atirador de São Paulo segue preso

Os três foram atacados por volta das 8h20 de quinta-feira, quando o oficial, o enfermeiro e outros integrantes de uma equipe médica compareceram à casa onde estava Gouveia para cumprir um mandado judicial autorizando sua internação. Com distúrbios psicológicos, segundo a família, o administrador atirou contra o grupo, atingindo até mesmo Silvia, sua amiga e proprietária da residência. Depois do crime, Gouveia se trancou no sobrado e só se rendeu após quase nove horas de negociação com a Polícia Militar.

As vítimas receberam o primeiro atendimento no Hospital do Servidor Público Municipal (HSAPM). Com um dos quadros mais delicados, o oficial de Justiça levou um tiro que passou rente ao coração e perfurou seu pulmão. Antes que seu quadro se estabilizasse, ele teve uma hemorragia grave e foi submetido a uma drenagem que removeu cerca de um litro de sangue infiltrado no órgão.

O técnico em enfermagem, por sua vez, foi alvejado na face e teve o maxilar quebrado com a bala, que se alojou na sexta vértebra cervical, um pouco abaixo do pescoço. Nem ele nem o oficial tem previsão de alta hospitalar. Gouveia continua preso na carceragem do 31.º Distrito Policial (Vila Carrão), destinada a pessoas com nível superior. Ele deve ser indiciado por seis ou até oito tentativas de homicídio (dependendo do entendimento do Ministério Público sobre o caso).

    Leia tudo sobre: atiradorliberdade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG