Atirador no centro de SP se entrega à polícia após quase 9h de negociação

Fernando Gouveia, de 32 anos, atirou contra um oficial de justiça, um enfermeiro e uma psicóloga quando recebia ordem judicial. Mãe disse que ele tem "problemas mentais".

iG São Paulo | - Atualizada às

Futura Press
Fernando Gouveia se entregou à polícia após nove horas de negociação

Um homem atirou contra três pessoas em frente à sua casa, na rua Castro Alves, 1073, no bairro da Liberdade, no centro de São Paulo, nesta manhã de quinta-feira. Segundo a PM, Fernando Gouveia, de 32 anos, atirou em um oficial de justiça, uma psicóloga e um enfermeiro que foram ao local entregar a ele uma ordem judicial de interdição - medida que transmite a responsabilidade por determinada pessoa para os familiares. 

Problemas mentais: 'Ele poderia ter estragado ainda mais a situação', diz coronel 

A PM e o Corpo de Bombeiros foram acionados por volta das 8h30. As negociações com um agente do 11º Batalhão da PM durou quase 9 horas. A mãe de Gouveia, que acompanhou as negociações no local, disse que o filho tinha "problemas mentais" e possuia várias armas em casa, o que levou a PM a isolar a rua e evitar invadir a residência. As negociações, disse a polícia, foram feitas por meio de um celular com o mesmo negociador. 

Futura Press
Policiais militares negociam rendição de homem que atirou contra três pessoas no bairro Liberdade, em São Paulo

Segundo Marcelo Pignatari, comandante da operação, Gouveia estava visualmente perturbado com a notícia da medida judicial. "É uma pessoa que demonstra bastante perturbação e agitação. Estamos tentando convencer de que o melhor que ele faz é se entregar", disse o comandante durante o trabalho de negociação. 

O homem chegou a afirmar, também por celular, que estaria ferido. Uma equipe do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) acompanhou as negociações. O cerco que a polícia faz na casa do atirador afetou o comércio local. Orientados pela própria polícia, diversos comerciantes fecharam as portas. Também foi interditada parte da Rua Castro Alves, entre a Ruz Safira e a Avenida Armando Ferrentini, ao lado do Parque da Aclimação.

Feridos

Os feridos foram levados para o Hospital Servidor Público Municipal Vergueiro. O oficial de Justiça Marcelo Ribeiro de Barros foi baleado no tórax, quando estava no corredor da casa. O enfermeiro e a psicóloga, que, de acordo com vizinhos, morava com o atirador, também foram baleadas no rosto e no ombro. 

De acordo com Secretaria Municipal da Saúde (SMS), o estado de saúde deles é estável e não há risco de morte. Do lado de fora da residência, estavam ainda outros dois enfermeiros e um psicólogo. Nenhum policial os acompanhava.

Falta de segurança

A Associação dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo (Aojesp) criticou nesta quinta-feira, na página que mantém na internet, a falta segurança dada aos profissionais no cumprimento de mandados judiciais. No texto, a Aojesp criticou ainda o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

"Faz muito tempo que a AOJESP está alertando o Tribunal de Justiça e as autoridades sobre os perigos do exercício da função dos oficiais de Justiça, obrigados a cumprir os mandados em locais ermos e perigosos a qualquer hora do dia e da noite. Ou seja, este servidor precisa ir à casa de bandidos e pessoas perigosas sem nenhuma segurança, sem carro do tribunal, sem nenhuma assistência do Estado."

O TJSP informou que secretários das Secretarias da Presidência e da Saúde da Corte acompanhavam na tarde desta quinta-feira a situação do oficial de Justiça.

* Com informações da AE

    Leia tudo sobre: atiradorliberdadesão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG