Testemunhas de defesa de Elize Matsunaga serão ouvidas em novembro

Em audiência nesta quarta-feira, somente as testemunhas de acusação foram interrogadas

iG São Paulo |

Uma nova audiência para definir se Elize Matsunaga, presa por matar e esquartejar o empresário Marcos Matsunaga , será levada a júri popular vai ser realizada no dia 12 de novembro. Nesta quarta-feira, foram ouvidas cinco testemunhas de acusação, mas não as de defesa. A audiência, presidida pelo juiz Adilson Paukoski Simoni, do 5º Tribunal do Júri da Capital, ocorreu no Fórum da Barra Funda.

AE
Elize Matsunaga deixa a Cadeia Pública de Itapevi e segue para o Complexo Penitenciário de Tremembé, no dia 20 de junho

Os depoimentos de defesa não puderam ser realizados porque os advogados de Elize não tiveram acesso ao laudo emitido após a reconstituição do crime. A ré, que acompanhou os depoimentos das testemunhas de acusação, será interrogada após o encerramento dos interrogatórios das testemunhas.

A audiência foi fechada e não pode ser acompanhada pela imprensa

A bacharem em direito já  confessou ter matado o marido  em depoimento em junho  na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo o diretor do DHPP, delegado Jorge Carrasco, o crime foi passional, como já suspeitavam os investigadores. Elize disse ter agido sozinha.

Relembre o caso:
Mulher confessa ter matado e esquartejado executivo da Yoki
‘Tudo indica ser crime passional’, diz delegado que investiga esquartejamento
Investigação pode ter fato novo, diz advogado da família de empresário esquartejado
"Todos estão chocados”, diz advogado da família de executivo esquartejado em SP
Mulher é presa acusada de esquartejar corpo de executivo da Yoki

O caso

Elize Matsunaga foi presa acusada de matar e esquartejar o marido, Marcos Kitano Matsunaga no dia 19 de maio. A prisão foi decretada por cinco dias e depois prorrogada até 24 de junho. Ela foi denunciada por homicídio qualificado (cuja pena pode variar de 12 a 30 anos), com uma série de agravantes, como ocultação de cadáver, motivo fútil e esquartejamento.

Ela teria matado o ex-diretor da Yoki Alimentos com um tiro de calibre 380 na cabeça após uma briga por causa de um caso extraconjugal mantido pelo empresário. O casal chegou junto ao prédio onde morava no dia 19 de maio, na companhia da filha e de uma babá que trabalhava no apartamento – dispensada logo em seguida.

Na noite do dia 19, as câmeras do circuito interno do condomínio registram o ex-diretor da Yoki descendo para pegar uma pizza – ele não seria mais visto a partir de então. Várias partes do corpo de Marcos foram encontradas no dia 27 de maio, na região de Cotia, inclusive a cabeça.

    Leia tudo sobre: elize matsunagamarcos matsunagahomicídiocaso yoki

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG