Famílias vivem drama de reconstruir vidas após série de incêndios em SP

Incêndio no Morro do Piolho, na zona sul da capital, foi o 32º desastre do tipo apenas neste ano; 300 barracos foram destruídos e mais de mil famílias estão desabrigadas

BBC Brasil | - Atualizada às

BBC

Dezenas de famílias na zona sul de São Paulo reviveram nos últimos dias o drama de reconstruir suas vidas após perderem suas casas e pertences em novo incêndio, uma situação que já é parte da rotina das favelas da cidade. As últimas vítimas tem como endereço a favela do Morro do Piolho , agora um terreno na zona sul onde mais da metade das moradias foi reduzida a cinzas e escombros.

Depoimento:  Garoto é 'enganado' e 'roubado' durante incêndio em favela de São Paulo

Este é o 32º desastre do tipo na capital paulista neste ano - só em agosto foram oito. Das 1.632 favelas da cidade, 79 registraram incêndios em 2011. De acordo com a Defesa Civil, entre as principais causas estão curtos-circuitos nas instalações elétricas precárias, uso de velas e pequenos acidentes nos barracos.

AP
Bombeiros tentando conter as chamas que destruíram o Morro do Piolho, na zona sul de São Paulo

A prefeitura implementou um programa de prevenção em 50 comunidades classificadas como de alto risco. Ainda assim, muitas delas já registraram incêndios. Mesmo considerada "modelo”, a favela do Morro do Piolho mostrou que as medidas do Previn (programa de prevenção de incêndios), que incluíram um zelador com capacete, capas e botas de incêndio, não foram suficientes.

De acordo com os residentes, que tentaram conter as chamas com baldes, não houve treinamento, e extintores jamais foram entregues.

Lixão e tempo seco

No caso da comunidade localizada em uma encosta no bairro do Campo Belo, conexões de água e eletricidade são ilegais e não há saneamento básico. Segundo os moradores, o fogo teria sido iniciado por um curto-circuito. Em chamas, os fios caíram sobre um lixão, no meio da favela, e se espalharam rapidamente.

Leia também:

Moradores de favela incendiada passam noite na rua e tentam recuperar objetos
Só estou com a roupa do corpo, minha filha e meu marido, diz moradora 

O tenente-coronel José Luis Borges, comandante do Corpo de Bombeiros da região, diz que este é um dos meses de agosto mais secos das últimas décadas, e que os ventos fortes no dia do incêndio também ajudaram a propagar as chamas com maior rapidez.

Em menos de cinco horas, praticamente metade da comunidade foi consumida pelo fogo . Dos 700 barracos, cerca de 300 ficaram completamente destruídos e mais de mil pessoas ficaram desabrigadas.

Recomeçar do zero

Muitas famílias do Morro do Piolho perderam tudo , incluindo móveis, roupas e documentos. Mas para alguns, recomeçar a vida do zero não é novidade. 

Para Pedro Luís Neves, de 28 anos, nascido e criado na comunidade, esta é a segunda vez que o fogo consome sua casa e tudo que o que conquistou com muito suor. Seis anos atrás ele já tinha perdido tudo em outro incêndio na mesma favela. "Só o que nos resta é começar de novo. Desta vez foi pior, mais gente foi afetada”, diz.

Marta dos Santos, de 56 anos, também lembra do incêndio de 2006. "Eu e a minha família moramos na rua durante três meses até reconstruir o barraco, com madeira doada das construções de prédios aqui perto”, relembra. Entre filhos, filhas, noras (uma grávida de seis meses) genros e netos, Marta chefia uma família de 12 pessoas, e agora, mais uma vez, estão todos na rua aguardando uma definição.

"Para o abrigo da prefeitura eu não vou, nem matando. Queremos uma moradia digna, e aqui, não em outro lugar. A gente é honesto, trabalhador, leva anos para juntar as coisinhas. Eu estava economizando para trocar minha geladeira, e em questão de minutos não tenho mais nada, só sobraram as cinzas”, conta.

A prefeitura diz que todos os afetados foram cadastrados em uma lista e receberam colchões e cestas básicas. Mas o que os moradores querem mesmo é um lugar para viver.

Sucata e investigação

Um dia depois do incêndio, muitos enfrentaram o forte cheiro de fumaça e as memórias ainda recentes da tragédia para juntar o pouco que sobrou e vender como sucata. São restos de geladeiras, móveis, utensílios que ficaram entre as cinzas e resquícios de estrutura de alguns barracos mais fortes.

A Promotoria de São Paulo abriu uma investigação para determinar o que deu início ao fogo, em um desastre que deixou gente que já tinha muito pouco com quase nada.

    Leia tudo sobre: morro do piolhoincêndiofavelasfogodefesa civildesabrigados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG