Audiência de morte de menina por moto aquática tem contradições

Segundo advogado da família de Grazielly, o caseiro afirmou anteriormente que não pilotava a moto por ser cardíaco, mas ontem disse que pilotava semanalmente

Agência Estado |

Agência Estado

A segunda audiência do processo que apura o atropelamento que causou a morte da menina Grazielly, de 3 anos, por uma moto aquática em Bertioga, litoral de São Paulo, acidente ocorrido em 18 de fevereiro, terminou com contradições. Durante a sessão, realizada na tarde de quinta-feira, o caseiro Erivaldo Francisco de Moura foi ouvido e acabou acusado de falso testemunho após três horas de depoimento.

Leia também: 

Marinha culpa cinco por morte com moto aquática em Bertioga
Justiça aceita denúncia contra três por morte de menina com moto aquática
Veja imagens de criança antes de ser atingida por jet ski em Bertioga

Reprodução
Criança tinha apenas 3 anos e foi atingida por moto aquática enquanto brincava

De acordo com o juiz responsável pelo processo, Rodrigo de Moura Jacob, o objetivo da audiência, que era ouvir as testemunhas, foi cumprido. A mulher do caseiro também deveria ter falado, mas teve seu depoimento reivindicado pelo advogado Francisco Assis Henrique Neto Rocha, que defende o empresário José Cardoso, proprietário da moto aquática. Segundo ele, o depoimento tornou-se dispensável ao longo da audiência.

De acordo com o juiz, durante a sessão o advogado da família de Grazielly, José Beraldo, entendeu que o caseiro mentiu. O caseiro teria afirmado, em primeiros depoimentos, que não pilotava a moto aquática por ser cardíaco. Durante a sessão de quinta-feira ele teria afirmado pilotar o equipamento semanalmente. Beraldo ainda apontou que o caseiro negou ter colocado o equipamento no mar, ação que os dois menores - acusados de estarem no comando do veículo - não poderiam ter concluído sozinhos, de acordo com o processo.

O juiz Jacob explicou que o advogado da família de Grazielly pode solicitar à delegacia que investiga o caso a abertura de um inquérito sobre o crime de falso testemunho. Porém, só depois de apontar quais foram as afirmações falsas.

O advogado que defende o proprietário da moto aquática confirmou que a defesa da família pediu cópias do documento e que chegou a apontar falhas no depoimento do caseiro. Mas nega que houve falso testemunho. "Foram cinco páginas de depoimento, o Erivaldo falou durante três horas e detalhou todo o ocorrido na data, o juiz entendeu que o depoimento foi suficiente para o processo. Tudo ficou esclarecido", afirmou Rocha.

A terceira audiência está marcada para 11 de outubro, quando um dos peritos que avaliaram a moto aquática após o acidente deve ser ouvido como testemunha. A primeira audiência do caso aconteceu em 22 de agosto e teve o depoimento da mãe de Grazielly, Cirleide Rodrigues Lamês.

Entenda o caso

A menina foi atingida por uma moto aquática desgovernada quando brincava na praia de Guaratuba, em um sábado de carnaval - era a primeira vez que ela visitava uma praia. Um adolescente de 13 anos conduzia o equipamento quando perdeu o controle do veículo. Ele e outro menor que o acompanhava na garupa poderão responder a uma medida socioeducativa.

Após perícia do Instituto de Criminalística, a polícia indiciou por homicídio culposo (sem intenção de matar) o dono do equipamento, o padrinho do adolescente (que deu a partida), o caseiro da residência (que teria ajudado o jovem a levar o veículo até a praia), o dono da marina onde a moto aquática estava abrigada e um mecânico. A manutenção incorreta no equipamento teria causado uma aceleração súbita antes de o veículo atingir Grazielly, já sem ninguém na condução.

    Leia tudo sobre: acidentemoto aquáticapraia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG