Delegado reage a assalto e mata dois criminosos na zona oeste de São Paulo

Policial foi abordado em seu carro em supermercado de Pinheiros, na capital paulista. Ao fingir que pegaria seus pertences, vítima sacou arma e efetuou disparos

iG São Paulo | - Atualizada às

Um delegado da Polícia Civil matou dois criminosos a tiros, na tarde de domingo (19), após ser abordado pelos suspeitos no estacionamento de um supermercado em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. O estabelecimento, supermercado Mambo, fica localizado na rua Deputado Lacerda Franco, altura do número 553. 

Leia também:  Motoqueiros matam homem com 15 tiros na zona norte de São Paulo

O delegado Fábio Pinheiro, que trabalha em Carapicuíba, na Grande São Paulo, sacava dinheiro em um caixa 24h, de acordo com a Polícia Civil. Ele chegou a entregar uma corrente de ouro e um relógio aos assaltantes. Segundo a polícia, com a desculpa de que pegaria outros pertences, atraiu os bandidos até o seu carro, um Camaro branco, onde estava a arma.

Mauricio Camargo/Futura Press
Policial estava com a mulher quando foi abordado em carro; arma estava ao lado do banco

"No carro, ele deixou o celular cair de propósito. Quando o ladrão foi pegar, ele atirou", afirma o manobrista José Ribamar Nogueira da Silva, de 52 anos, que trabalha em um bar na frente do supermercado. Depois, o policial foi até o assaltante caído e o desarmou.

O outro assaltante, segundo a testemunha, começou a correr. "O delegado deu voz de prisão, mas ele não parou. Parou na bala", disse. Um dos ladrões morreu na hora, enquanto o outro chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Duas pistolas, uma 9 milímetros e uma .40, de uso restrito da polícia, foram apreendidas com os criminosos. O local do crime foi isolado e passou por perícia. O caso está sendo investigado pelo Grupo Especializado em Assessoramento a Local de Crime (Geacrim), do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Fabio Pinheiro é investigado desde 2009 pelo Ministério Público e pela Corregedoria sob suspeita de ter comprado cargos de chefia na Polícia Civil de São Paulo. Ele nega.

*com AE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG