Operação-padrão causa filas e críticas de passageiros no aeroporto de Guarulhos

'Isso não funciona nada. Só causa discórdia e má vontade da população para ajudar a polícia', disse passageiro que esperava 40 minutos na fila para chegar a sala de embarque

Rafael Romer - iG São Paulo | - Atualizada às

No terceiro dia de greve , os agentes da Polícia Federal iniciaram, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, uma operação-padrão com o objetivo de mostrar para a população suas demandas e pressionar o governo. A ação não causou atrasos nas partidas, mas as filas geraram críticas dos passageiros que tentavam embarcar.

Protestos:  Polícia Federal intensifica fiscalizações em aeroportos e para ruas do País

AE
Fila de passageiros para o embarque internacional no Terminal 2 do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos

Iniciada às 13h e sem previsão de término, a operação passou a verificar 100% das bagagens dos passageiros durante a passagem pelas máquinas de raio-x do embarque. Normalmente, a checagem acontece em apenas 30%. “Hoje o serviço policial acaba sendo prejudicado. A abordagem de suspeitos, a verificação de documentos estrangeiros e nacionais e a verificação de bagagens acabam sendo feitas por amostragem”, disse o presidente do Sindicato da Policia Federal de São Paulo (Sindpolf-sp), Alexandre Santana Sally.

Leia também: 
Governo consulta ministérios sobre quanto podem dar de aumento a servidores
Servidores públicos federais fazem manifestação no centro do Rio
Servidores e policiais civis entram em choque com a PM em protesto em Brasília

Normalmente trabalhando com 130 agentes no embarque do aeroporto, uma das principais demanda dos grevistas é que o número seja triplicado. Dessa forma, a operação poderia se tornar cotidiana. “No dia a dia, tudo isso seria muito mais célere, pois se tornaria uma prática”. Hoje cerca de 250 policiais participaram da operação-padrão.

A checagem causou grandes filas no embarque, o que deixou parte dos passageiros irritados. “Isso não funciona nada. Só causa discórdia e má vontade da população para ajudar a polícia. Acaba tirando o nosso direito de ir e vir”, reclamou o consultor Vinicius Moura, que aguardava 40 minutos na fila para seu embarque para Belo Horizonte. "A gente não sabe direito o que está acontecendo", completou. Durante toda a tarde, policiais distribuiram panfletos com informações sobre a paralisação e explicaram o motivo das filas para quem aguardava o embarque.

De acordo com Sallys, a operação pode voltar acontecer a qualquer momento da greve. Por volta das 17h, as checagens identificaram um homem de nacionalidade não revelada pela polícia que tentou embarcar com US$ 10 mil e 30 mil euros não declarados, o que caracteriza evasão de divisas. O suspeito foi encaminhado para a delegacia para averiguação.

Assembleia

Nesta sexta-feira(10), uma assembleia geral envolvendo os sindicatos regionais da categoria e a Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF) deve analisar as propostas colocadas pelo governo e divulgar as informações sobre os efeitos das ações de hoje. Ontem, o Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo esteve reunido em Brasília com representantes da Comissão de Reestruturação Salarial da FENAPEF para ouvir as demandas de reajuste.

Além d o reajuste salárial, os agentes, escrivães e papiloscopistas também pedem uma restruturação de carreira e se colocam contra a terceirização de funções exclusivas da Polícia Federal, como o controle de passageiros em voos nacionais e internacionais.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG