Segundo o Ministério Público, suspeitos eram pagos por uma associação clandestina para garantir a segurança dos comércios onde havia exploração dos jogos no litoral paulista

Agência Estado

Treze policiais, sendo dez militares e três civis, foram presos durante uma operação do Ministério Público na terça-feira por suspeita de envolvimento na exploração de jogos ilegais na região de Santos, São Vicente e Praia Grande, no litoral paulista.

Leia também:  Comissão de juristas aprova a criminalização de jogos de azar

De acordo com o MP, uma associação clandestina cadastrava os comerciantes que desejavam ter as máquinas caça-níqueis e cobrava pagamento quinzenal para a manutenção dos jogos nos estabelecimentos.

Os dez policiais militares presos eram contratados pela associação para garantir a segurança dos comércios onde havia exploração dos jogos. O grupo ainda subornava os três agentes civis, também detidos, para evitar que a polícia desdobrasse investigações sobre o jogo ilegal da região. Entre os policiais civis presos está o chefe dos investigadores do 1º Distrito Policial de São Vicente, Agostinho Pereira. O Ministério Público segue com a apuração para identificar mais envolvidos no esquema.

Foram apreendidos R$ 27,3 mil em dinheiro e R$ 3,7 mil em cheques, além de 81 máquinas caça-níqueis e outros equipamentos eletrônicos. O cumprimento dos mandados de prisão temporária foi realizado em conjunto com agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.