Ouvidor quer que PM deixe de socorrer baleado

Segundo Dantas, socorro tem de ser feito por Samu ou resgate, porque 'policial não é médico'; socorro é muitas vezes usado para encobrir homicídios praticados pelos PMs

Agência Estado |

Agência Estado

O ouvidor-geral da Polícia do Estado de São Paulo, Luiz Gonzaga Dantas, encaminhará pedido para que policiais militares não socorram mais vítimas de tiroteios - um recurso muitas vezes usado para encobrir homicídios praticados pelos próprios PMs. Ele também propõe outras mudanças, como menor carga horária e acompanhamento psicológico do efetivo.

Após morte de publicitário: PM treina abordagem frontal em São Paulo

Reação: Ministério Público Federal quer afastamento do comando da PM em São Paulo

'Morte foi absurda': 'O Estado errou, reconhece o erro', afirma secretário de Segurança

"Queremos que, no momento em que o policial estiver em um enfrentamento, quem faça o socorro seja o Samu ou o resgate. Policial não é médico e não tem especialização para fazer socorro", afirma Dantas.

O ouvidor também afirma que os PMs precisam de uma melhor reciclagem. "Estamos propondo que equipes de psicólogos e psiquiatras das universidades públicas possam fazer parte desse grupo para avaliação psicológica do pessoal da polícia, principalmente desses que estão na linha de frente."

Ele citou como exemplo o caso da morte do publicitário Ricardo Prudente de Aquino , no dia 18, baleado durante uma abordagem da PM. "A gente observou que foram abordagens desastradas, inadequadas. Não é legítimo o policial usar arma de fogo contra veículo que furou barreira", diz.

PMs matam publicitário após abordagem em São Paulo

Mauricio Camargo/Futura Press
Familiares e amigos participam do enterro do publicitário morto durante abordagem policial, em SP (20/07)

'Ele fez um gesto brusco que levou à reação', diz PM após morte de publicitário

Para o advogado criminalista Alberto Zacharias Toron, o policial deve socorrer a vítima que ainda esteja viva para não cometer crime de omissão de socorro. "Se a pessoa ainda estiver viva, a obrigação é socorrer. Se já estiver morta, a polícia não deve mexer no corpo. Essa é uma forma de descaracterizar a posição dos cadáveres para impedir a realização da perícia. É preciso separar o socorro do falso socorro."

Polêmica

Após afirmação da defensora pública Daniela Skromov Albuquerque de que o Ministério Público Estadual está sendo omisso na investigação dos crimes cometidos pelos policiais, o órgão divulgou nota de repúdio.

"A afirmação simplista de que há omissão por parte do MPE na apuração dos fatos revela a completa e total ignorância quanto ao trabalho sério, profissional e comprometido realizado por cada um dos promotores de Justiça envolvidos nas apurações", afirma o comunicado.

Procurada, a Defensoria fez questão de elogiar o MP e "registrar o respeito e a confiança no Ministério Público", afirma o comunicado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG