Tropa não vai se "acovardar" mesmo após morte de 50 PMs no ano, diz comandante

Em carta publicada em seu perfil no Facebook, Roberval Ferreira França rebate críticas à atuação da polícia

iG São Paulo | - Atualizada às

Arquivo pessoal
Roberval Ferreira França, Comandante-geral da PM

O comandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Roberval Ferreira França, publicou nesta quinta-feira uma carta em seu perfil no Facebook comentando as críticas recentes à instituição. França afirma que “neste ano mais de 50 policiais militares” foram assassinados e outros cinco mil ficaram “inválidos na luta contra o crime”. Segundo ele, a polícia não será intimidada. “Não iremos nos acovardar.”

Na carta, o coronel apresenta números da atuação e diz que os resultados do trabalho da PM “parecem incomodar muito algumas pessoas, que tentam por várias medidas atacar e enfraquecer uma das mais bem preparadas e ativas polícias do nosso País”.

A polícia vem recebendo críticas por sua atuação desde a morte do publicitário Ricardo Prudente , de 39 anos, no Alto de Pinhiros, zona oeste de São Paulo, no último dia 18. O carro que o publicitário dirigia foi atingido por tiros disparados por dois soldados e um cabo após uma abordagem considerada errada pelo secretário de Segurança Pública do Estado. No mesmo dia, um jovem de 19 anos foi morto por PMs em Santos, no litoral paulista. Seis jovens estavam no carro abordado com 25 tiros pelos policiais.

O secretário de Segurança Pública do Estado, Antônio Ferreira Pinto, reconheceu o erro da polícia após uma cerimônia que deu posse a 920 novos policiais militares no vale do Anhangabaú na última semana. "O Estado errou, reconhece o erro e vai ressarcir a família", disse.

Os casos aconteceram em seguida à onda de ataques a policias na capital paulista. Após a morte de sete PMs e o aumento do número de homicídios e latrocínios , segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP), o secretário Antônio Ferreira Pinto admitiu uma escalada da violência .

De acordo com o balanço dos seis primeiros meses de 2012, divulgado na quarta-feira (26), a cidade de São Paulo teve 21% mais homicídios dolosos que o mesmo período do ano passado. O número de assassinatos passou de 482 para 586.

Os homicídios dolosos também aumentaram no Estado. O crescimento se deve ao registro de 2.183 casos no semestre de 2012, contra 2.014 no mesmo período de 2011, um aumento de 169 casos, ou 8,39%.

Na quarta-feira (25), o Ministério Público Federal (MPF) afirmou que pretende entrar com uma ação civil pública pedindo o afastamento do comando da Polícia Militar alegando a perda do controle da situação.

    Leia tudo sobre: PMViolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG