Incêndio em barracão de escola de samba deixou o viaduto interditado desde janeiro

Agência Estado

Interditado desde janeiro, o Viaduto Pompeia, na zona oeste da capital, será totalmente reaberto ao tráfego daqui a uma semana, no dia 10. As obras de recuperação da estrutura, que foi afetada por um incêndio em um barracão de escola de samba l ocalizado sob o elevado, estão "em fase final", segundo a Prefeitura.

Vias estavam parcialmente liberadas
AE
Vias estavam parcialmente liberadas

As duas pistas já estão liberadas parcialmente em horário integral desde sexta. Continuam interditadas apenas duas faixas da pista no sentido centro e uma faixa na direção contrária. Ontem à tarde, cerca de 20 operários trabalhavam na reforma. Ainda há tapumes em volta dos pilares.

Enquanto alguns homens pintavam a grade de proteção do viaduto, outros faziam o acabamento das bases de sustentação localizadas próximo da Avenida Nicolas Boer. A interdição da via afetou pelo menos 55 mil veículos que utilizavam a passagem todos os dias antes do incêndio, segundo dados divulgados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Motoristas que circulam pela região aguardam a abertura total do viaduto. "Quando interditaram, no começo do ano, parava tudo na Marquês de São Vicente. A ponte (Julio de Mesquita Neto) ficava paradinha também", relata o taxista João Antônio Debeus, de 41 anos, que trabalha perto do Shopping Bourbon.

O dentista Ricardo Oliveira Santana, de 54 anos, disse que espera ganhar tempo com a abertura do viaduto. "Meu caminho ficou até meia hora mais lento porque tenho de dar uma volta grande para pegar o Viaduto Antártica, que estava ficando sobrecarregado", diz ele, que trabalha na Pompeia e mora na Freguesia do Ó, zona norte.

A interdição prejudicou ainda o trânsito na Avenida Francisco Matarazzo, no Viaduto Pacaembu e até na Marginal do Tietê, avaliam motoristas. "São Paulo é assim", resumiu o taxista Debeus. A reforma desagradou a alguns pedestres, que usam o viaduto para atravessar a linha férrea e chegar ao corredor de ônibus da Matarazzo. "Ficou fechado esse tempo todo e não taparam os buracos da calçada?", reclamou a diarista Maria Ofélia Guedes, de 33 anos. Há mato crescendo nas laterais das calçadas e, em alguns pontos, as pedras do mosaico na calçada estão soltas. O maior buraco fica no meio do viaduto, na pista sentido bairro, e tem quase um metro de diâmetro.

Histórico

A reforma do Viaduto Pompeia custou R$ 10,8 milhões. A Prefeitura contratou a empresa Concrejato Serviços Técnicos de Engenharia, por meio de contrato emergencial (sem licitação), em 13 de janeiro. O nome oficial do viaduto é Missionário Manoel de Mello. A estrutura foi inaugurada em 1967, tem 450 metros de extensão e é sustentada por 20 pilares. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.