Evandro revela conversa de Mizael: 'Aquele lugar era raso'

Vigia acusado de participar da morte de Mércia Nakashima prestou depoimento em São Paulo esta semana e fez revelações contra o policial aposentado

iG São Paulo | - Atualizada às

O vigia Evandro Bezerra da Silva, acusado de ser comparsa do policial aposentado Mizael Bispo de Souza no assassinado da advogada paulista Mércia Nakashima, afirmou em depoimento à Divisão de Capturas da Polícia de São Paulo, na última segunda-feira (25), que ouviu Mizael dizer que o carro da ex-namorada havia ficado em água muito rasa. Ela foi morta no dia 23 de maio de 2010, mas seu corpo só foi encontrado em 11 de junho em uma represa em Nazaré Paulista, interior de São Paulo.

AE
Vigia Evandro Bezerra quando foi preso pela primeira vez em 2010

“Eu vi eles conversando. Não teriam que deixar o carro ali, tinha que ter puxado o carro mais para frente. Não era para deixar o carro naquele lugar, que aquele lugar era raso e a água ia baixar. Depois, deu no que deu”, disse Evandro a dois advogados, um promotor e um delegado, segundo o Jornal da Globo, que tece acesso ao vídeo do depoimento.

Evandro foi preso na madrugada do último dia 23 no Povoado Candu, em Carneiros, município do sertão alagoano. O vigia estava foragido havia mais de um ano. No depoimento, ele afirmou ainda que recebeu uma ligação de Mizael no dia do crime e o encontrou próximo à represa. “Eu não sabia o que estava acontecendo. Pediu para eu pegar ele. Estava em uma festa com os amigos. E não estava com o carro dele. Todo mundo tinha ido embora e tinha deixado ele lá, para eu pegar ele lá nesse lugar, que eu peguei ele.”

Leia também: Justiça nega recurso e mantém júri popular para Mizael e Evandro

O depoimento de Evandro foi gravado pela polícia e pelo Ministério Público (MP) por precaução. Na primeira vez que o vigia foi preso, quase dois anos atrás, ele confessou a participação no assassinato de Mércia. Mais tarde alegou que havia confessado o crime sob tortura.

Mizael foi denunciado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, por meio cruel e uso de recurso que dificultou defesa da vítima) da ex-namorada e ocultação de cadáver. Evandro foi denunciado por homicídio duplamente qualificado (emprego de meio insidioso ou cruel e mediante recurso que tornou impossível a defesa da vítima) e ocultação de cadáver.

Prisão Evandro

Procurado pela Justiça Paulista, Evandro estava foragido havia mais de um ano. Sua prisão ocorreu após uma denúncia anônima pelo telefone 181 da Policia Civil de Alagoas. Com ele, a polícia apreendeu um revólver calibre 32 e munições, uma motocicleta roubada com placa de outra moto também roubada, e duas toucas tipo balaclava. Ele foi cercado, recebeu voz de prisão e não resistiu.

A captura do acusado foi possível devido a uma ação conjunta entre as agências de inteligência da Polícia Militar de Alagoas, do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (Gecoc), Força Nacional, Polícia Civil de São Paulo, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

O crime

Mércia foi vista pela última vez no início da noite do dia 23 de maio de 2010, no bairro Macedo, em Guarulhos, na casa da avó. Depois que saiu de lá, não fez mais contato com amigos ou a família.

No dia do sumiço de Mércia, o advogado alegou que foi visitar a filha e um irmão, com quem almoçou e, depois, saiu com uma garota de programa. Um fato que complicou a situação de Mizael na época foi que o rastreador do carro dele mostrou que das 18h40 às 22h38 ele ficou estacionado em frente ao estacionamento do Hospital Geral de Guarulhos, em uma rua a menos de cinco minutos da casa da avó de Mércia.

No dia 11 de junho daquele ano, um pescador encontrou o corpo de Mércia boiando em uma represa de Nazaré Paulista. No mesmo local, um dia antes, homens do Corpo de Bombeiros de Atibaia já haviam localizado o veículo da vítima, com todos os pertences dela dentro.

Mizael e o vigia Evandro Bezerra da Silva são os principais suspeitos do crime. Com base nas investigações e depoimentos, a polícia acredita que Mércia saiu da casa da avó e encontrou-se com Mizael em um local próximo. Ele entrou no carro dela, modelo Honda Fit, e os dois seguiram até a represa de Nazaré Paulista.

No local, Mizael agrediu e deu um tiro no queixo da advogada, que desmaiou, segundo a polícia. Ele então saiu do carro e o empurrou para dentro da água com Mércia, ainda viva, no interior do veículo. Pouco depois, Evandro buscou Mizael na represa, conforme haviam combinado, e Mércia morreu afogada.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG