Após ataques, empresa tira parte da frota de ônibus de circulação em São Paulo

Dois dias seguidos de ataques no Sacomã, na zona sul de São Paulo, fizeram a companhia ViaSul retirar de circulação os ônibus que passam na região nesta quarta-feira

iG São Paulo |

Os ônibus municipais da companhia ViaSul que operam na região do Sacomã, na zona sul de São Paulo, não saíram da garagem na noite desta quarta-feira. Duas noites seguidas de ataques na região foram os motivos alegados pela empresa deixar de circular.

Governo:  'Enfrentou a polícia vai levar a pior', diz Alckmin sobre nova onda de ataques
Suspeita:  Rota prende suspeito de ligação com PCC e morte de policiais em São Paulo

Agência Estado
Õnibus da companhia ViaSul incendiado na segunda-feira, na região do Sacomã

Na segunda-feira, um ônibus da ViaSul foi incendiado enquanto o motorista estava parado com o coletivo esperando o horário marcado para a próxima viagem . Já nesta terça-feira,  dois homens em uma moto azul jogaram um coquetel molotov em um coletivo , por volta das 23h.

A SPTrans, empresa pública responsável organização dos ônibus municipais da capital paulista, informou que está em contato com a ViaSul "para que esta retome a operação o mais rápido possível para evitar maiores prejuízos aos usuários de transporte coletivo na região sudeste". Segundo a SPTrans, a empresa também mantém conversa com o Comando da Polícia Militar para preservar a segurança do transporte público.

Leia também:
Paula Miraglia: São Paulo novamente sob ataque
Em alerta após execução de policiais, PM reforça efetivo em São Paulo
Traficante da zona leste deu ordem para matar PMs
"Execução de PMs é retaliação ao trabalho da polícia"
Em menos de quatro horas, região metropolitana registra nove mortes
São Paulo sofre nova onda de arrastões a restaurantes

Ataques

Na terça-feira, mais três ônibus foram incendiados por criminosos. Foi o quarto dia seguido em que coletivos foram queimados na região metropolitana da capital paulista em um momento em que as polícias do Estado de São Paulo estão em alerta após série de execuções de policiais militares e ataques a bases da PM, ocorridos neste mês. Desde domingo, sete ônibus foram incendiados e as ocorrências aumentam a suspeita de uma ação comandada por criminosos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Pelo menos sete mortes de policiais aconteceram desde 30 de maio. Seis delas nos últimos 12 dias, sendo que nos últimos quatro dias foram registrados quatro casos, um por dia. Veja abaixo quais foram os sete últimos executados, em uma sucessão de crimes.

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG