Bandidos fazem arrastões em mais dois restaurantes em São Paulo

Restaurantes dos bairros de Moema e de Alto de Pinheiros foram invadidos por criminosos e objetos pessoais de clientes e funcionários foram levados. Governo paulista anunciou campanha e diz que 30 suspeitos desse tipo de crime já foram detidos

iG São Paulo |

Agência Estado

Dois restaurantes sofreram arrastões entre a noite de quarta-feira e a madrugada desta quinta, em duas regiões distintas da capital paulista. Ninguém ficou ferido e nenhum suspeito havia sido preso até o início desta tarde, segundo informações da Polícia Militar.

Madrugada de ontem:  Bandidos fazem arrastão em bar em frente ao Mackenzie
Ação:  Bares e restaurantes investem em segurança para evitar arrastões em São Paulo

O primeiro assalto aconteceu por volta das 23h, no restaurante Gattai Sushi, na avenida Iraí, 161, em Campo Belo, zona sul. De acordo com um representante do estabelecimento, 10 homens armados chegaram em três veículos e renderam o manobrista.

Os suspeitos levaram cerca de R$ 300 do caixa e celulares de empregados e clientes. Foram roubadas também joias, carteiras e bolsas dos clientes.

A ação, relatou o representante do estabelecimento comercial, durou cerca de cinco minutos. Os bandidos fugiram. Alguns clientes e o proprietário fizeram um boletim de ocorrência no 27º Distrito Policial. O representante do restaurante informou que as câmeras do sistema de segurança ainda não estavam instaladas.

Por volta da meia-noite, outros criminosos armados também invadiram um outro restaurante, o Esquina do Açaí, na rua Diógenes Ribeiro, 2.100, no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista.

Segundo a polícia, os bandidos roubaram os pertences dos clientes, o dinheiro do caixa e fugiram. O caso foi registrado no 14º DP.

Leia também: Bando faz arrastão em drogaria na Lapa, em São Paulo

Balanço de prisões

“Nós já tivemos 14 assaltos a restaurantes esclarecidos e 30 presos. Lamentavelmente, desses trinta, 14 são adolescentes. O trabalho será intensificado. Nós já nomeamos 816 investigadores e escrivães de polícia e temos 200 delegados que em 50 dias começarão a academia e, depois, sairão para reforçar o trabalho de polícia investigativa e judiciária”, explicou o governador Geraldo Alckmin, em reunião na manhã desta quinta no Palácio dos Bandeirantes. Alckmin disse que até o fim do ano a intenção é ter 7 mil policiais militares a mais nas ruas. “Essa é uma guerra que todo dia precisa avançar”, finalizou.

O governador e o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, participaram de um encontro com o comandante-geral da PM, Roberval França, e o delegado-geral Marcos Carneiro Lima para a divulgar o  balanço do trabalho de proteção a bares e restaurantes.

Vizinhança Solidária

Segundo Alckmin, na terça-feira começará no Itaim-Bibi o programa Vizinhança Solidária, que reúce moradores, condomínios e restaurantes. "Um trabalho que já foi implantado em Santo André, com bom resultado”, disse.

De acordo com o comandante Roberval França, "o programa Vizinhança Solidária começou como projeto piloto 10 meses atrás, em Santo André. Foi aplicado em 14 bairros e, em 12 deles, a criminalidade foi a zero. Em dois, caiu 50%".

Ainda de acordo com o comandante-geral da PM, a vizinhança solidaria é um modelo que surgiu na Inglaterra na tentativa de diminuir a criminalidade com a ajuda da população, principalmente após idosos passarem a serem vitimas de assaltos. “O modelo é baseado na seguinte lógica: que a sociedade se sinta dona do seu bairro, que ela possa também passar a ser os olhos da polícia”.

*Com AE

    Leia tudo sobre: arrastãorestauranteMoemaAlto de Pinheiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG