Desabrigados pelas chuvas no Amazonas serão transferidos para balsas

Balsas terão barracas, banheiros químicos, fornecimento de água, alimentação e kit domésticos; mais de 77 mil famílias foram atingidas

Agência Brasil |

As famílias desabrigadas em função das chuvas que atingem o Estado do Amazonas serão transferidas para abrigos construídos em balsas. A operação, que começa esta semana, segundo a assessoria do governo estadual, vai começar pelo município de Careiro da Várzea, na região metropolitana de Manaus.

Galeria da cheia: Veja imagens dos alagamentos no Amazonas
29,78 metros: Rio Negro tem novo recorde e ultrapassa cheia de 2009

No Careiro, 22 famílias estão abrigadas em uma escola. As mais afetadas serão levadas para quatro balsas montadas em uma estrutura que funciona como moradia e inclui barracas, banheiros químicos, fornecimento de água, alimentação e kit dormitório.

Reuters
Área alagada após cheia nos rios da bacia amazônica

Em todo o Estado, mais de 77 mil famílias foram atingidas de alguma forma pelas chuvas que afetaram 53 dos 62 municípios. Cinquenta cidades decretaram estado de emergência e três – Barreirinha, Anamã e Careiro da Várzea – decretaram estado de calamidade pública.

O governo estadual afirmou que está ajudando as famílias que moram às margens de igarapés com a limpeza desses cursos d'água e com um plano emergencial de cerca de R$ 2 milhões, para a compra de madeira e, assim, erguer os assoalhos das casas alagadas e fazer pontes e passarelas.

Leia também: Cheias no Amazonas deixam 77 mil famílias desalojadas

Como o problema é periódico, a assessoria do governo estadual garantiu que já está adotando medidas para minimizar os impactos no futuro. Segundo balanço do governo, 13,8 mil famílias que moravam às margens de igarapés foram retiradas desses locais. Mais mil famílias também devem ser transferidas até o primeiro semestre do ano que vem. Desse total, pelo menos 4 mil famílias ainda devem ser remanejadas este ano.

Na agricultura, os prejuízos provocados pelas chuvas já ultrapassam a casa dos R$ 60 milhões, pelas contas da Secretaria Estadual de Produção Rural. A cifra corresponde à produção de 14 mil famílias de agricultores que foram afetadas. De acordo com o órgão, em alguns municípios toda a produção foi perdida.

O governo federal está disponibilizando uma linha de crédito especial no valor de R$ 350 milhões, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), com juros de 1% ao ano, carência de três anos, prazo de até dez anos para pagamento e desconto de 40% no valor do empréstimo.

    Leia tudo sobre: alagamentorio negroamazonaschuvasmanaus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG