De acordo com decisão aprovada em assembleia nesta terça-feira, o Metrô de São Paulo não funciona nesta quarta-feira

O sindicato dos Metroviários de São Paulo aprovou em assembleia na noite desta terça-feira o início da greve por tempo indeterminado a partir das 0h desta quarta-feira. Segundo o sindicato, não será cumprida a decisão da Justiça de São Paulo de manter em funcionamento de 100% da frota nos horários de pico e com 85% da frota nos demais horários . Uma nova assembleia deve ser discutida nesta quarta-feira, às 12h.

Os funcionários das linhas 11-Coral e 12-Safira da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também prometem entrar em greve a partir da 0h de quarta-feira (23). A paralisação foi decidida em assembleia na noite desta terça-feira. As demais linhas funcionarão normalmente.

Em nota, a CPTM disse que a "Companhia espera que a categoria seja responsável e cumpra a determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP) de manter 85% do quadro operacional e de manutenção das linhas 11 e 12, nos horários de pico (das 5h30 às 10h e das 16h às 20h30), e 70% nos demais horários".

Leia também: Continua greve dos metroviários em cinco capitais do País

Pela decisão aprovada nesta noite, nenhum funcionário do Metrô irá trabalhar nesta quarta-feira em São Paulo. A decisão ocorre após reunião entre a direção do Metrô de São Paulo e representantes do Sindicato no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo não entrar em acordo nesta terça-feira.

De acordo com a decisão da Justiça paulista, os metroviários também não poderão liberar as catracas , como já havia sido cogitado pelos trabalhadores. Caso as determinações não sejam cumpridas, o sindicato será multado em R$ 100 mil por dia.

Segundo o sindicato, entre as reivindicações dos funcionários estão aumento real de 14,99%, reajuste de 23,44% para VR e VA de R$ 280,45, equiparação salarial, 36 horas semanais/aumento da escala base, plano de saúde acessível para os aposentados, entre outros. Até então, o Metrô teria proposto reajuste salarial de 4,15%, aumento real de 0,50%, e reajuste de 4,15% para o vale-refeição, vale-alimentação e auxílio-creche.

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que por conta da paralisação desta quarta-feira, o Rodízio Municipal de Veículos com placas de final 5 e 6 está suspenso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.