Polícia prende 53 flanelinhas em jogo em SP, a metade com antecedente criminal

Segundo a polícia, flanelinhas detidos tinham antecedentes criminais por roubo, crime contra o patrimônio, tráfico de drogas e homicídio

iG São Paulo |

Três cambistas e 53 flanelinhas foram detidos, na noite desta quarta-feira, no entorno do estádio do Pacaembu, zona oeste da capital paulista, durante o jogo entre Corinthians e Emelec , pelas oitavas-de-final da Taça Libertadores da América, em uma operação conjunta entre as polícias Civil e Militar e a Prefeitura de São Paulo.

Leia também:
Flanelinha atropela quatro pessoas em Copacabana

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, cerca de metade dos guardadores de carro possuía algum tipo de antecedente criminal, entre eles, roubo, crime contra o patrimônio e tráfico de drogas. Um dos flanelinhas tinha passagem por homicídio.

A prisão dos guardadores foi baseada na Lei de Contravenções Penais como “exercício ilegal da profissão” (Art. 47). “É preciso ter registro no Ministério do Trabalho para exercer a função de guardador de carro”, explica o delegado Fernando Shimidt, titular da unidade de inteligência policial do DPPC. Os flanelinhas foram liberados após assinarem um termo circunstanciado, que foi encaminhado à Justiça.

A falta de estacionamento no entorno do estádio obriga muitos torcedores a deixar os carros na rua. Abordado, às vezes de forma até intimidatória, pelos flanelinhas, o motorista, com medo de ter o carro danificado depois de dar as costas, acaba pagando para os tais "guardadores", que cobram o preço que querem e exigem receber antecipadamente.

Os três cambistas foram detidos com base no Estatuto do Torcedor por “fornecer, desviar ou facilitar a distribuição de ingressos para venda” (Art.41-G), mas pagaram fiança no valor de um salário mínimo e foram soltos. De acordo com a Polícia Civil, os flanelinhas cobravam R$ 50 por vaga para estacionar, já os cambistas chegavam a cobrar R$ 300 por ingresso.

A polícia informou que ações como essa terão continuarão acontecendo durante os jogos e eventos. “É uma resposta do poder público à população que se sente constrangida com a ação abusiva dos flanelinhas e cambistas. Vamos continuar atuando para que isso tenha fim”, afirmou o delegado geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro Lima. No último domingo (29), durante o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, entre Guarani e Santos, a polícia deteve 15 pessoas.

* Com AE

    Leia tudo sobre: flanelinhascambistasjogoantecedentes criminais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG