Jovem grávida é detida por não pagar pensão em São Paulo

Com o parto marcado para esta quinta-feira, mulher de 20 anos foi liberada após pagar R$ 884 ao ex-marido, em Taubaté

AE |

selo

Uma jovem de 20 anos, grávida de 9 meses, foi detida esta semana em Taubaté, no Vale do Paraíba (SP), por não pagar pensão a uma filha de 4 anos que vive com o ex-marido. Suellen dos Santos foi detida ao se apresentar na delegacia depois de ser intimada pela Justiça de Taubaté, em mandado expedido pelo juiz Gustavo de Campos Machado. Na sentença, o juiz aponta uma dívida de R$ 613,31, referente aos meses de julho/2011 a janeiro/2012. 

Leia também: Casal terá de pagar pensão para garoto adotado que foi devolvido

Desempregada e já sentindo as contrações, Suellen só foi liberada após pagar R$ 884 ao ex-marido, referente a todos os meses em atraso. "Juntamos o dinheiro que tínhamos de contas, emprestamos do patrão da minha mãe, vizinhos, foi uma loucura", comenta a cunhada Elidamaris Carpinetti da Silva Ferreira. 

Suellen, que vive em um quarto simples, apenas com colchões ao chão, divide o espaço com a mãe do atual marido, que está preso por porte ilegal de armas. No espaço, o berço aguarda o menino que está para nascer de parto cesárea na manhã desta quinta-feira (10), fruto do segundo casamento. 

Suellen afirma que no início da separação, há dois anos, pagava a pensão mensalmente. "Nos primeiros meses eu dava o que podia, mas como estava desempregada parei de pagar, mas sempre entregava o dinheiro direto a ele, nem fazia recibo", diz a jovem enquanto tentava encontrar uma posição para sentar. "Não imaginava que ele entraria na Justiça, nem que estava nisso, nunca me neguei a pagar", comenta a ex-balconista, que só ficou sabendo do processo movido pelo ex-marido após comparecer à delegacia.

Identificado apenas pelo nome de Gabriel, o ex-marido é vigilante de agência bancária e recebeu a guarda da filha depois que Suellen afirmou não ter condições de criar a menina. "Ela nem vê a menina, ele esconde ela, poucas vezes ela viu a criança", defende a cunhada. 

Vivendo de favor com a sogra e a cunhada, Suellen passou a quarta-feira atendendo a imprensa e ainda não tem um advogado para defendê-la. Segundo a jovem, o juiz estipulou uma pensão mensal no valor de R$ 81. O juiz não foi localizado para comentar o caso.

    Leia tudo sobre: pensão alimentíciagrávidapresa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG