Descaso e imprudência nas obras de SP colocam em risco vida de pedestres

Paulistanos e visitantes precisam desviar de buracos, operários, máquinas e até mesmo das calçadas para andar com segurança por ruas da capital

Carolina Garcia, iG São Paulo |

A rotina do pedestre paulistano tem se tornado mais difícil nos últimos meses. Além de lidar com calçadas irregulares e buracos, surge um novo obstáculo diante das obras e intervenções – muitas vezes realizadas simultaneamente em ruas e avenidas – que dificultam e colocam em risco a passagem. O iG visitou vias das regiões norte, oeste e sul de São Paulo e encontrou obras que inviabilizam uma passagem segura e confortável.

Leia também: Manaus, Rio de Janeiro e Salvador têm as piores calçadas, diz pesquisa

Carolina Garcia
Ponto de ônibus na avenida Faria Lima, altura do Museu da Casa Brasileira, na zona sul
O cenário mais problemático e desigual foi verificado na avenida Brigadeiro Faria Lima, na zona sul da capital. Ao caminhar entre o trecho da av. Eusébio Matoso e a rua Campo Verde, o pedestre irá encontrar a calçada classificada como a melhor do País, segundo relatório da campanha “Calçadas do Brasil”, divulgado na semana passada . Porém, já no próximo quarteirão, na rua Gabriel Monteiro da Silva, a calçada plana e espaçosa é logo substituída por um canteiro de obras com pedregulhos e tapumes distorcidos.

O desconforto e presença das armadilhas – como buracos sem total proteção, desnível do solo e passarelas improvisadas – são constantes e podem ser um problema para o pedestre desatento. Karen Tavori, de 27 anos, trabalha há um mês como secretária-executiva e se considera uma malabarista em suas caminhadas pela Faria Lima. “Cada dia provo um tipo de salto para caminhar aqui. Evito os tapumes, eles são mais instáveis que as pedras”, diz a jovem.

O risco só aumenta quando os pedestres desistem de caminhar pelas passarelas e pelas calçadas ainda não concluídas. A reportagem flagrou, por exemplo, uma gestante optando por caminhar com um carrinho de bebê pela rua, na faixa utilizada por ônibus e carros (veja a galeria de fotos). “Acho errado abrir a avenida toda de uma vez, é muito transtorno. Com chuva, isso aqui vira um caos com toda a lama e sujeira. Por isso, a gente acaba passando alguns riscos”, explica a mulher que não quis ser identificada.

Com as obras na região, paradas de ônibus foram deslocadas e houve estreitamento de calçadas. Idelina Assunção, de 69 anos, caminhava pela primeira vez na avenida e se surpreendeu com as atuais condições. “Está muito ruim, quase derrapei e só consegui pensar: ‘Deus me ajude’. Não critico as obras, mas sim como são executadas. Parecem que esquecem os idosos e pessoas que trabalham aqui.”

Obras ‘intermináveis’

O bairro de Pinheiros, na zona oeste, também tem sido alvo de intervenções há pelo menos dois meses, dizem moradores e comerciantes. Segundo eles, além das obras “intermináveis” do acesso à Estação Pinheiros do Metrô e da revitalização do largo da Batata, o bairro tem sido “retalhado” por empresas de telecomunicações e energia elétrica.

Comerciantes sentem uma redução expressiva dos clientes já que eles evitam caminhar por áreas com barro e lidar com o pó que as obras produzem. O proprietário do restaurante D’Gosto, Antônio dos Santos, de 54 anos, diz que a falta de informação tem irritado os comerciantes. “Um dia eu cheguei e tinha uma cratera na porta do meu restaurante. Além da sujeira, tinha o perigo de alguém cair ali. Só tinha uma faixa amarela sinalizando o buraco.” Segundo Santos, depois de muito reclamar com os trabalhadores, tapumes e redes foram colocados para interditar o local. “Minha fachada quase sumiu e a calçada tem um espaço mínimo agora, mas pelo menos ninguém corre perigo.”

Na mesma quadra, a rua Gilberto Sabino já registrava a presença de tratores e operários devido as obras do Metrô. Porém, na última semana, a transversal Conselheiro Pereira Pinto desapareceu dentro de um imenso buraco. Quando a reportagem chegou ao local, no início da tarde de sexta-feira (4), não havia sinalização e pedestres estavam perdidos pedindo orientações aos próprios operários. “Parece que estou trabalhando na obra. Desvio dos tratores, disputo espaço com funcionários e ainda tenho de ter cuidado para não cair nesse buraco enorme”, diz o auxiliar de administração Tiago Martins, de 25 anos.

Descaso

Em algumas regiões de São Paulo, o transtorno não acaba quando as concessionárias finalizam a intervenção. O iG encontrou casos de buracos que foram ‘esquecidos’ pelas empresas e, ao acionar a prefeitura, os moradores são obrigados a esperar o prazo mínimo de 20 dias úteis. Esse cenário foi encontrado no bairro Jardins, zona sul, e região da Freguesia do Ó, na zona norte.

Segundo a empresária Heleni Karala, de 68 anos, no cruzamento das ruas Honduras e Chiaferelli, na região sul, o asfalto está cedendo há três meses. “Cada dia está maior e foram os moradores que providenciaram um cone para sinalizar o buraco. A prefeitura disse que precisaria verificar de qual empresa era a obra e até hoje não tive retorno”. Na última semana, Heleni conta que um motoqueiro chegou a se acidentar no local. “Pagamos um IPTU de pelo menos R$ 1 mil e ainda temos que zelar pelas condições das nossas ruas já que a poder público não consegue.”

Ramón Florentino, de 52 anos, tinha um buraco ‘abandonado’ pela Sabesp em frente à sua casa, na rua Cachoeira Alegre, há pelo menos dois meses, segundo ele. “Expliquei o problema durante o atendimento por telefone e me colocaram na espera por 25 minutos. Achei um absurdo”. Florentino decidiu então que a medida mais rápida seria ele mesmo arrumar o “trabalho mal feito” pela concessionária. “Não ficou perfeito, mas fiz por mim e pela vizinhança.”

Outro lado

Procurada pela reportagem, a AES Eletropaulo informou que atua na região da av. Faria Lima, entre a av. Cidade Jardim e largo da Batata, em obras de conversão da rede aérea para a rede subterrânea. “As obras contemplam o enterramento de 1,35 km da rede e devem ser concluídas este ano", disse em nota. A empresa não quis comentar as possíveis falhas de segurança.

Já a Sabesp informou que executa também na região da Faria Lima a terceira etapa do projeto de despoluição do rio Tietê. A tubulação para a coleta de esgotos está sendo ampliada e a previsão de conclusão é o fim de 2013. “A obra é feita em pequenos trechos com o objetivo de causar a mínima interferência no dia a dia da população”, afirmou a assessoria da companhia.

A Prefeitura de São Paulo foi procurada para se pronunciar sobre a fiscalização e a quantidade de obras em andamento na capital. A Coordenação de Subprefeituras e a Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb), no entanto, não possuíam um balanço sobre as obras ou buracos presentes na capital.

Segundo a assessoria da Siurb, a quantidade de alvarás ou Termo de Permissão de Uso do Subsolo (TPU) aprovada pela prefeitura para as concessionárias não condiz com o número de obras em andamento já que “cabe a cada empresa decidir quando deverá iniciar uma intervenção”. Elas poderiam atuar dentro do prazo de vencimento do documento, que pode variar de dias ou até anos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG