Profissionais da saúde fazem protesto na avenida Paulista

Manifestantes se concentraram no Masp e seguiram em passeata até secretaria estadual

iG São Paulo |

Em greve desde o dia 13 de abril, trabalhadores da saúde do Estado de São Paulo fizeram um ato na manhã desta quinta-feira na avenida Paulista, com concentração na sede do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Por volta das 12h, os manifestantes seguiram em caminhada, ocupando duas faixas da avenida Paulista, para a sede da Secretaria de Gestão Pública do Governo do Estado, localizada na rua Bela Cintra. O objetivo é pressionar o órgão a abrir negociação com a categoria. 

AE
Funcionários do sistema de Saúde realizam um protesto na avenida Paulista, nesta manhã
A manifestação teve início após a reunião do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde (Sindsaúde) com a Coordenação de Recursos Humanos da Secretaria de Saúde do Estado. De acordo com Benedito Oliveira, presidente do Sindsaúde, os representantes do governo apontaram a possibilidade de uma mesa de negociação com secretários estaduais para a próxima semana. “Mas nenhuma proposta foi apresentada ainda”, disse o presidente.

Leia também: Médicos do SUS prometem manifestações em todo o País

Segundo Benedito Oliveira, as tentativas de diálogo com o governo estadual iniciaram ainda em 2011 e se intensificaram em março deste ano. A data base dos trabalhadores é em 1° de março. Dentre outras reivindicações, os trabalhadores pedem um aumento real de 26%; reajuste do auxílio alimentação e regulamentação da jornada de 30 horas para toda a categoria. 

A Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo informou que mantém um diálogo com o SindSaúde-SP em relação à nova pauta de reivindicações e as conversas são mantidas em conjunto com a Secretaria de Gestão. Em nota, a Secretaria informou que espera que os servidores não interrompam o atendimento, de modo a não prejudicar a população usuária do SUS (Sistema Único de Saúde) no Estado.

Dos 203 serviços de saúde ligados à Secretaria de Saúde no estado, seis registraram interrupções parciais, de consultas e procedimentos eletivos (não-urgentes) na manhã de hoje. Em alguns serviços, embora haja manifestantes na porta, o atendimento à população está normal. A Secretaria decidiu cortar o ponto dos servidores estaduais em greve que paralisarem ou tiverem paralisado suas atividades no horário do expediente. 

A secretaria considerou um absurdo que sindicalistas tentem impedir a entrada de pacientes nos serviços, prestando informações falsas à população na porta dos hospitais. A orientação é para que a população entre no hospital mesmo se for informada por sindicalistas de que há paralisação do atendimento.

* Com AE e Agência Brasil

    Leia tudo sobre: protestoavenida paulistasaúdeogreve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG