Justiça aceita denúncia contra três por morte de menina com moto aquática

Foram aceitas as denúncias contra o padrinho do adolescente e contra o proprietário e o mecânico da marina de Bertioga

AE |

selo

A Justiça de Bertioga, na Baixada Santista, acatou a denúncia oferecida pelo Ministério Público (MP), por meio da Vara da Infância e Juventude, contra três dos quatro acusados pelo envolvimento na morte de Grazielly Almeida Lames , de 3 anos, morta no sábado de carnaval após ser atingida por uma moto aquática pilotada por dois adolescentes na Praia de Guaratuba.

Reprodução
Criança tinha apenas 3 anos e foi atingida por moto aquática enquanto brincava
O quarto acusado, o caseiro Erivaldo Francisco de Moura, que levou a moto aquática até o mar, não teve a denúncia acatada pelo juiz Rodrigo Moura Jacob, da Vara Distrital de Bertioga, sob a alegação de que ele apenas havia cumprido ordens. Cabe recurso do MP à decisão judicial.

Além do caseiro, a promotora de justiça de Bertioga, Rosana Colletta, havia oferecido denúncia por homicídio culposo e por lesão corporal culposa (ambos sem intenção) contra José Augusto Cardoso Filho, proprietário da embarcação e padrinho do adolescente V.A.C, 13, que pilotava a moto aquática. Ela entendeu que Thiago Veloso Lins, proprietário da marina onde a moto aquática estava guardada, e o mecânico Ailton Bispo de Oliveira, também deveriam ser responsabilizados pelo crime contra Grazielly e a banhista Andréia dos Santos Silva, que foi atropelada e atingida na perna momentos antes da criança.

Saiba mais:
Inquérito sobre morte de menina atingida por moto aquática vai para instância superior
Após acidentes com motos aquáticas, Marinha muda regras para tirar habilitação
Um mês após morte de menina, banhistas ainda temem jet skis em Bertioga

Internauta envia fotos de lancha e moto aquática próximas a banhistas em SP

Caso sejam condenados, os acusados devem cumprir pena de dois meses a um ano de detenção para o crime de lesão corporal culposa e de um a três anos de prisão para o crime de homicídio culposo. Em sua denúncia, a promotora havia solicitado à Justiça aumento de um terço da pena pela omissão de socorro de Grazielly contra o padrinho e o caseiro. O mesmo pedido havia sido feito contra o mecânico e o dono da marina, por ignorarem um defeito na moto aquática que foi detectado pela perícia. A oxidação de uma peça teria feito com que o aparelho trafegasse em velocidade acelerada. O problema não teria sido diagnosticado pelo mecânico.

O adolescente V.A.C., de acordo com a promotora, deverá responder medida socioeducativa. Em entrevista no mês passado, ela havia afirmado que ele poderá prestar serviços comunitários em unidades hospitalares. Para o advogado da família de Grazielly, José Beraldo, a decisão judicial "vai de encontro à literatura jurídica". "O juiz entendeu que o caseiro não teve culpa, já que cumpria ordens do patrão. Mas se o Ministério Público desejar, poderá entrar com recurso contra a decisão."

O advogado iniciou nesta sexta-feira os procedimentos para exigir uma indenização de R$ 15 milhões por danos morais em favor da família de Grazielly. Beraldo afirmou que serão exigidos R$ 5 milhões do pai do adolescente V.A.C., R$ 5 milhões do padrinho e da madrinha do menor e outros R$ 5 milhões do Estado, "pela demora no socorro da vítima".

Fernanda Simas
Moto aquática que atingiu menina em Bertioga

    Leia tudo sobre: guaratubabertiogapraiamoto aquática

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG