SP vai credenciar 296 médicos para ampliar atendimento a servidores

O atendimento médico oferecido aos servidores públicos do Estado de São Paulo vai ser ampliado na capital. A partir de hoje, o Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual (Iamspe) recebe pedidos de credenciamento de profissionais interessados a atender o funcionalismo.

Agência Estado |

São 296 vagas para médicos e clínicas, em 11 especialidades. A previsão é de que o número de consultas oferecidas suba de 720 mil para 1,08 milhão por ano na cidade, o que representa uma alta de 50%.

O objetivo do Iamspe é descentralizar o atendimento, hoje restrito ao Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE). Com o credenciamento, os cerca de 440 mil servidores da capital poderão fazer consultas em clínicas de bairro. O custo será pago pelo Iamspe, de acordo com sua tabela de serviços - assim como funciona em convênios particulares.

Hoje, o preço de uma consulta pela tabela é de R$ 25, mas a expectativa é de que o valor suba para R$ 34 já a partir de março, o que deve ajudar a atrair o interesse dos profissionais. “Abrimos o credenciamento de médicos para aumentar a oferta de consultas e reduzir o prazo de atendimento”, afirma Latif Abrão Júnior, superintendente do Iamspe. Da marcação à consulta, um servidor leva hoje na capital cerca de 30 dias. “Nossa meta é que a primeira consulta seja realizada em um prazo máximo de 10 dias.”

Para isso, o Iamspe também promete lançar, ainda no primeiro semestre, uma central de atendimento para marcação de consultas. Atualmente, o servidor que procura um médico precisa fazer o agendamento pela internet ou ir pessoalmente ao HSPE. “A central terá 40 posições e haverá ainda cinco médicos para aconselhamento”, afirma Abrão Júnior.

Os servidores poderão ligar para marcar consultas e pedir informações sobre adesão ao instituto, por exemplo. “Quando surgir uma queixa de saúde não especificada, a ligação vai ser passada para o médico, que poderá aconselhar a pessoa”, diz Abrão Júnior. Segundo ele, a central de atendimento funcionará por 12 horas no início, mas o atendimento pode ser ampliado para 24 horas, dependendo da procura. O superintendente afirma ainda que, com o credenciamento, os primeiros reflexos sobre o atendimento serão percebidos a partir de maio. As informações são do Jornal da Tarde .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG