Sou candidato a carcereiro de Dantas, afirma Protógenes

BRASÍLIA - O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, que chefiou a Operação Satiagraha, voltou a negar nesta quarta-feira que tenha a intenção de sair candidato a qualquer cargo eletivo nas eleições de 2010. Segundo Protógenes, ele se candidataria a carcereiro do dono do grupo Opportunity, o banqueiro Daniel Dantas, investigados por crimes contra o sistema financeiro.

Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias |

"Eu já disse por diversas vezes que não serei candidato, voltarei para a Polícia Federal. Foi para isso que fiz concurso. Mas estou disposto a ser candidato a carcereiro do bandido banqueiro Daniel Dantas na penitenciária pública federal em que ele for cumprir pena", ressaltou.

Questionado sobre se o fato de ser carcereiro de Dantas lhe daria prazer, Protógenes afirmou que não há nenhum desejo pessoal em ocupar a função. "Como delegado, eu posso ser carcereiro ou até diretor de uma penitenciária, basta eu ser convidado. Portanto, não seria um prazer pessoal, seria o desempenho da minha atribuição como servidor público", completou.

Afastado do caso desde julho, por supostos abusos cometidos ao longo da Operação Satiagraha, o delegado informou ainda que, em janeiro, deverá ter uma posição do setor de Recursos Humanos da Polícia Federal. Isso irá determinar o setor onde ele deverá trabalhar. "Recebi uma decisão unilateral do órgão central da PF que me propôs a realocação para outro setor, mas ainda não recebi um comunicado oficial desta minha transferência", disse o delegado. "Acredito que a partir de janeiro já devo ter sinais desta minha nova lotação. Vou incorporar isto com muita maturidade."

AE
Protógenes recebe medalha de Arlindo Chinaglia, presidente da Câmara
Protógenes recebe medalha de Arlindo
Chinaglia, presidente da Câmara
Nesta tarde, o delegado recebeu a Medalha do Mérito Legislativo. A indicação para o recebimento da comenda foi feita pela líder do PSOL, deputada Luciana Genro (RS). A Medalha do Mérito Legislativo é entregue a cidadãos, instituições ou entidades, campanhas, programas ou movimentos de cunho social, civil ou militar, que marcaram o Brasil por suas contribuições tanto no âmbito legislativo quanto em outras áreas.

Cronologia da Operação Satiagraha

8 de julho - Autorizada pelo juiz Fausto De Sanctis, a Operação Satiagraha, comandada pelo delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, prende 17 pessoas, entre elas o banqueiro Daniel Dantas, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o investidor Naji Nahas.

9 de julho - O presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, decide conceder habeas-corpus a Daniel Dantas, sua irmã Verônica Dantas e mais nove pessoas presas na operação.

10 de julho - Daniel Dantas é solto pela manhã. À tarde, um novo pedido de prisão preventiva do banqueiro é aceito e Dantas é levado novamente à carceragem da sede da Polícia Federal em São Paulo.

11 de julho - O ministro Gilmar Mendes concede o segundo habeas-corpus e revoga a prisão preventiva do banqueiro, que é libertado novamente.

14 de julho - Após reportagem do jornal Folha de S.Paulo que noticiava a possibilidade de Mendes ter sido monitorado pela Polícia Federal a pedido da Justiça, Protógenes se reúne em São Paulo com seus chefes. No encontro, segundo a revista Veja, o delegado revelou que a PF tinha um trabalho de inteligência que apontou que o habeas-corpus seria concedido por Mendes.

Agência Brasil
O delegado Protógenes Queiroz, à frente
15 de julho ¿ Protógenes deixa o caso.

30 de agosto ¿ A Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, abre investigação para averiguar se houve participação ilegal de agentes da Abin no suposto grampo ao ministro Gilmar Mendes na operação comandada por Protógenes.

1º de setembro ¿ A divulgação de grampo em Gilmar Mendes provoca o afastamento do diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda, ex-dirigente da Polícia Federal.

11 de setembro ¿ Na CPI dos grampos, um diretor da Abin diz que 52 agentes atuaram na Operação Satiagraha.

17 de setembro ¿ O diretor afastado da Abin Paulo Lacerda admite que 56 agentes da Abin agiram na Operação Satiagraha.

5 de novembro ¿ A Polícia Federal investiga supostos vazamentos à imprensa e cumpre mandados de busca e apreensão na casa de Protógenes.

12 de novembro ¿ A CPI dos Grampos aprova as convocações do

AE
O juiz federal Fausto Martin De Sanctis
O juiz federal Fausto De Sanctis
delegado Amaro Vieira Ferreira e do procurador da República Roberto Dassié para deporem sobre o vazamento de informações.

17 de novembro ¿ A Justiça Federal proíbe a Abin de acompanhar os trabalhos da Polícia Federal. O juiz Fausto Martin De Sanctis afirma que as escutas telefônicas autorizadas pela Justiça não alcançaram o STF. No mesmo dia, o ministro da Justiça, Tarso Genro, solicitaram por meio da Advocacia Geral da União (AGU) que a Abin acompanhe a investigação.

19 de novembro - Dantas é ouvido como réu pelo juiz De Sanctis. A defesa de Dantas tenta adiar o fim do processo. Quer ter acesso a novos documentos da investigação e que Paulo Lacerda e o delegado Protógenes Queiroz fossem ouvidos como testemunhas.

27 de novembro - O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, disse que Protógenes foi afastado da Operação Satiagraha por ser partidário. O PSOL fez diversos atos de desagravo ao policial pelo País.

1º de dezembro - O delegado Protógenes diz que a PF pediu nova prisão de Dantas.

2 de dezembro - Justiça nega acesso de Dantas a inquérito. Fausto De Sanctis decreta prisão do banqueiro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG