Sobe para dez o total de mortos em favela do Rio

Subiu para dez o número de mortos durante operação policial no morro da Lagoinha, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. De acordo com a polícia, todos eram criminosos.

Agência Estado |

O tiroteio começou à tarde, quando policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) checavam a informação de que havia no local um caminhão com carregamento de cerveja roubado. Segundo a Polícia, duas equipes da delegacia ficaram encurraladas e pediram reforços. O inspetor Marcos Luiz Gomes Pinho, da Coordenadoria de Recursos Especiais (Cores), foi ferido com um tiro de fuzil no fêmur, teve fratura exposta e foi socorrido de helicóptero para o Hospital Miguel Couto, na capital, segundo a polícia.

Cerca de 60 policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), da Core e dois helicópteros seguiram para o local para dar apoio aos colegas encurralados, conforme a polícia. "Os marginais estavam muito bem armados, tinham fuzis, pistolas Uzi, armamento pesado mesmo. Nossa equipe ficou pelo menos dez minutos sob forte tiroteio", disse o delegado Ronaldo Oliveira, titular da DRFA.

Na ação, quatro pessoas foram presas e oito motocicletas roubadas foram recuperadas. Drogas e armas foram apreendidas. Para a polícia, a favela contava com reforço de traficantes de Manguinhos, na zona norte do Rio. Havia possibilidade ainda de o traficante identificado por policiais apenas pelo apelido de Choque, do Complexo do Alemão, estar escondido no morro.

Protesto de moradores

Os dez corpos foram retirados do morro e levados para o Hospital Duque de Caxias. Moradores seguiram para a unidade e fizeram um protesto contra a operação policial. Cerca de 300 pessoas se concentraram na frente do hospital e forçaram as duas entradas do local. Alguns chegaram até os corredores, mas foram expulsos por funcionários da unidade. Do lado de fora, na rua, outros manifestantes foram dispersados pela Polícia Militar com gás de pimenta. Das onze pessoas feridas que o hospital recebeu, somente uma estava viva no começo da noite. Era Enéas Manoel Paixão, de 31 anos, atingido de raspão no pescoço. Seu estado de saúde era considerado estável.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG