Subiu para cinco o número de mortes em Sengés, no Paraná, cidade que faz divisa com o Estado de São Paulo, por conta forte chuva que atingiu o norte paranaense no fim de semana.

AE
Cidade de Sengés fica isolada por causa da chuva
Cidade de Sengés fica isolada por causa da chuva

De acordo com a Defesa Civil, o corpo da quinta vítima foi encontrado na manhã desta segunda-feira e está sendo levado para a Polícia Civil para ser reconhecido. Ao menos uma pessoa continua desaparecida e 18 ficaram feridas.

O Paraná ainda sofre com as consequências do temporal que atingiu a região. A situação mais crítica é registrada em Sengés, na divisa com São Paulo. A cidade permanece isolada depois que as duas pontes que ligam o município a São José da Boa Vista e Itararé caíram com a cheia dos rios que passam pelas cidades.

Homens da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) também encontram dificuldade para restabelecer o fornecimento de água na cidade. Por falta de acesso rodoviário, as equipes de manutenção da companhia só chegam por helicóptero. Até domingo, os técnicos da Sanepar conseguiram restabelecer o abastecimento para cerca de 60% dos 20 mil moradores.

Com o alagamento, o rio que corta a cidade saiu do leito e acabou provocando desmoronamentos de terra que destruíram a rede de tubulação. Técnicos trabalham na reconstrução da tubulação, que deve ficar pronta até terça-feira.

Outras cidades afetadas

Divulgação
Casa atingida pelas forças da chuvas
Outras quatro cidades paranaenses também estão sem abastecimento de água, segundo a Sanepar. Cerca de 75 mil pessoas foram atingidas. Cerca de 75 mil pessoas foram atingidas.

Crítica também está a condição de Tomazina, onde, por causa da cheia do Rio das Cinzas, que corta a cidade, não é possível fazer a captação de água. As instalações da empresa responsável pelo processo estavam totalmente inundadas nesta segunda-feira. A Sanepar já encaminhou para a cidade um caminhão-pipa para buscar água de outros sistemas garantir o abastecimento de cerca dos 15 mil habitantes do município.

O abastecimento de água já foi restabelecido em Wenceslau Brás e Ibaiti, onde o deslizamento de uma encosta levou muita terra e árvores para dentro das instalações da Sanepar que são usadas para fazer a captação de água do Rio Ribeirão Grande e levar até a estação de tratamento. Em Pinhalão, cerca de duas mil pessoas continuam sem água devido ao rompimento da tubulação. A situação é a mesma em Arapotim, informou a Sanepar.

Em São José da Boa Vista, metade da produção da Sanepar está prejudicada pela sujeira do Rio Pescaria, que é usado pela empresa para o tratamento de água. Devido à lentidão no processo, a cidade está sendo atendida por um sistema de rodízio.

Prejuízos

A chuva trouxe transtornos para 20 municípios e afetou 18.343 pessoas, segundo boletim da Defesa Civil Estadual divulgado nesta segunda-feira. São 20 municípios das regiões norte, campos gerais e região metropolitana de Curitiba que sofreram com a chuva, onde estão 1.303 pessoas desabrigadas e outras 2.653 desalojadas.

Os municípios afetados são Almirante Tamandaré, Arapoti, Araucária, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Colombo, Doutor Ulisses, Guarapuava, Ibaiti, Ibiporã, Jaguariaiva, Pinhalão, Pinhais, Piraquara, Ponta Grossa, São José da Boa Vista, Sapopema, Sengés e Tomazina.

Acima da média

O Paraná fechou o mês de janeiro com um volume de chuva muito acima da média. De acordo com o meteorologista do Instituto Tecnológico Simepar Tarcísio Valentin da Costa, no leste e no nordeste do Estado a quantidade de chuvas superou o dobro do que é normal para o período.

Tivemos, por exemplo, aqui no setor leste, Curitiba, com precipitações que chegaram a 362 milímetros (mm), enquanto a média é 165 mm. No litoral, onde a média é 300 mm, choveu 712 mm. Então foram chuvas bastante expressivas, há locais em que passou do dobro.

Segundo o meteorologista, a previsão para os próximos dias é de que o tempo continue instável, com dias típicos de verão. Os dias devem permanecer abafados e com temperaturas elevadas, com pancadas de chuvas no final do dia.

(*com informações da Agência Estado)

Leia também:

  • Veja imagens de São Paulo do 2º janeiro mais chuvoso na cidade
  • Especialistas apontam soluções para as enchentes
  • Entenda como é feita a previsão do tempo no Brasil
  • Confira a previsão do tempo para todo o País

    Leia mais sobre Paraná

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.