Sobe para 12 total de cidades em emergência no RS

Os temporais de sábado e domingo provocaram estragos em pelo menos 25 municípios do Rio Grande do Sul. Subiu para 12 o total que decretou situação de emergência, segundo levantamento divulgado pela Defesa Civil no final da tarde de hoje.

Agência Estado |

O mesmo boletim informa que 7.890 residências foram danificadas pelo vento ou pelo granizo e 166 destruídas.

Entre as 45,6 mil pessoas afetadas, 1.188 ainda estavam desabrigadas e 3.600 desalojadas no final do dia. Uma pessoa, o motorista Rodrigo Monteiro dos Santos, de 38 anos, morreu arrastado pela correnteza quando tentava passar por cima de uma ponte no interior de Canela, no domingo. Outras duas, identificadas como Lindomar Ferreira, 47 anos, e Paulo Francisco Reis Oliveira, 48 anos, estão desaparecidas desde domingo, quando o caminhão em que estavam foi levado pela correnteza do rio Santa Cruz, em São Francisco de Paula.

Os municípios de Tabaí, Venâncio Aires, Vera Cruz, Mato Leitão, Montenegro, São Francisco de Paula, Maquiné, Pareci Novo, Cruzeiro do Sul, Taquari, Constantina e Bom Retiro do Sul já enviaram decretos de situação de emergência à Defesa Civil. A prefeitura de Santa Cruz do Sul indicou que tomará a mesma medida.

As tempestades de granizo deixaram furos em telhados de cerca de 500 casas em Herval, no sul, 500 em Santa Cruz do Sul, 500 em Venâncio Aires e 850 em Vera Cruz, no centro, e 200 em Constantina, no norte do Estado. Em Tupanci do Sul o vento arrancou pinheiros e eucaliptos de uma mata fechada e destelhou casas e galinheiros.

A maioria dos desabrigados, no entanto, está em outras regiões, atingidas por enxurradas. O caso mais grave é o de São Sebastião do Caí, no nordeste, que sofreu sua terceira enchente em menos de dois meses e teve de providenciar abrigos em dois ginásios de esportes e um salão paroquial para cerca de 500 pessoas, enquanto outras 300 foram hospedadas por parentes e amigos. Também há dezenas de desabrigados em São Leopoldo, Novo Hamburgo e Porto Alegre.

No final da tarde, observadores da Defesa Civil notaram que os rios pararam de subir. Como não houve chuva forte na segunda-feira e a perspectiva é de tempo bom e frio para terça-feira e quarta-feira, a expectativa é que muitas famílias possam voltar para suas casas nos próximos dias. Mesmo assim, é possível que alguns moradores de zonas ribeirinhas sejam aconselhados a permanecer em abrigos porque há perspectiva de mais chuva a partir de quinta-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG