Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Sob influência do 'La Niña', verão começa às 21h38 desta terça

Sul deve ter uma estação mais seca neste verão. Índice de chuva em São Paulo também deve ser menor do que em 2010

iG São Paulo |

O verão começa oficialmente às 21h38 desta terça-feira no Brasil. Na entrada da estação, a previsão é de tempo relativamente tranquilo na maior parte do Brasil. Há previsão de pancadas de chuva, mas os maiores volumes devem estar concentrados na região Norte, que não sofre tanto com os temporais quanto as cidades do Sul e do Sudeste. 

A expectativa é de um verão diferente do anterior. A começar pela atual influência do fenômeno La Niña (resfriamento anormal das águas do Pacífico Equatorial), contrário ao El Niño (aquecimento anormal das águas do Pacífico Equatorial), que estava influenciando no verão passado. 

Em janeiro de 2010 tivemos chuva muito acima da média na maior parte da região Sul e de São Paulo, em Mato Grosso do Sul e no centro-leste de Alagoas, de Pernambuco, da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Em compensação, choveu pouco no norte do Rio de Janeiro, no Espírito Santo, em Minas Gerais, em Goiás, no Distrito Federal e no sul e no oeste da Bahia. Para este ano, a previsão para janeiro e também para os meses de fevereiro e março é um pouco diferente.

AE
Estação mais quente e chuvosa do ano na maior parte do País, o verão começa na noite desta terça-feira no hemisfério sul da Terra
Em anos que sofrem a influência do fenômeno La Niña, as ondas de frio ocorrem com um pouco mais de intensidade do que em anos normais. Até mesmo o calor registrado em verões com o La Niña não é tão intenso e prolongado como em anos de El Niño. Deste modo, não será surpresa a eventual entrada de ondas de frio com maior intensidade, principalmente no Sul do País, que promovam o declínio das temperaturas também na região Sudeste. 

A chuva estará presente nos próximos meses na maior parte do Brasil. Os maiores volumes serão registrados em todas as áreas do Sudeste, principalmente nos meses de janeiro e de fevereiro. Mas em março o tempo fica mais seco a partir da segunda quinzena do mês, e ainda deve fazer bastante calor. Na cidade de São Paulo o mês de janeiro de 2010 quase bateu recorde absoluto de chuva, com 481 mm acumulados. A média da cidade em janeiro é de 258 mm. Para janeiro de 2011 também há previsão de bastante chuva, mas não muito acima da média. 

Na região Sul, anos de La Niña não são anos de muita chuva. Ocorrem várias pancadas ao longo do verão, mas elas são muito irregulares e o resultado é volume abaixo do normal em quase todas as áreas. Quem mais sofre com os períodos de estiagem é o Rio Grande do Sul, que pode ter perdas na produção agrícola. "A chuva é um mecanismo de diminuição da temperatura. Quando chove menos que o normal no verão, o calor é intenso", explica Paticia Madeira, meteorologista da Climatempo.

Nesta mesma situação fica o Estado de Mato Grosso do Sul, com menos chuva que o normal (o que não significa que não teremos temporais) e mais calor que a média. A característica desta chuva, tanto no Sul do Brasil quanto em Mato Grosso do Sul, é a irregularidade. Os outros Estados do Centro-Oeste seguem a característica do Sudeste, com chuva concentrada e muitas vezes contínua, com om maiores volumes até fevereiro. Em março a chuva para mais cedo que nos outros anos e o calor marca presença. 

No Nordeste o verão tem um significado diferente. Normalmente só na Bahia, no Maranhão e no Piauí chove de forma regular em janeiro. Os outros Estados ainda têm características secas em janeiro. Mas para janeiro de 2011 há previsão de mais chuva que o normal, e os volumes podem ser significativos até nas áreas se sertão. A responsável por esta chuva é a La Niña. Em fevereiro ainda chove bem, mas em março o tempo volta a secar em todas as áreas, completa Patricia. 

Na região Norte os maiores volumes de chuva ocorrem no mês de fevereiro. Nos meses de verão, as pancadas são sempre muito frequentes, e a diferença entre a normalidade e este ano de 2011 está na intensidade das chuvas.

Leia tudo sobre: calorverãoestação

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG