Sisu terá nova versão na metade do ano

Apesar das graves deficiências detectadas, está decidido que, no meio do ano, o Ministério da Educação vai aplicar em todo o País o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que distribui as vagas de instituições superiores com base nas notas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem). Mas haverá mudanças, e a seleção será feita em apenas uma etapa, em vez das três atuais, que vinham gerando confusão.

Agência Estado |

Cada aluno vai poder se inscrever em duas, ou no máximo três opções diferentes de cursos.

As mudanças e o calendário do Sisu foram definidos ontem, em uma reunião entre o ministro da Educação, Fernando Haddad, e os reitores das instituições federais de ensino superior. Os dois lados concordaram que o sistema atual, apesar de democrático, era fonte de diversos problemas que ameaçavam inviabilizar o programa. Permitia, por exemplo, que os estudantes testassem opções desnecessárias, saturando o sistema, mesmo que não fossem assumir as vagas.

Entre as mudanças, ficou também aprovada a introdução de uma lista de espera, a valer já no próximo exame. Dela serão chamados sucessivamente os alunos inscritos para preencher as vagas em aberto. "O objetivo é superar todas as dificuldades, de modo a permitir que 100% das vagas sejam preenchidas", afirmou Alan Barbiero, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). O MEC acredita que a lista poderá acabar com o problema de vagas não preenchidas.

Pelo calendário elaborado, o processo do Sisu começa em abril com a adesão das instituições. Em maio serão abertas as inscrições de alunos. Em junho, será fechada a lista de classificação dos estudantes inscritos, com base na qual serão chamados os selecionados para matrícula. Paralelamente, será montada uma lista de espera para preenchimento das vagas restantes, conforme a segunda e terceira opção de cada aluno. O Inep fechará, também em junho, o calendário do segundo semestre.

O Sisu será colocado à disposição das universidades estaduais, cujos reitores terão uma reunião em separado hoje, no MEC. A secretária de Ensino Superior, Maria Paula Dallari Bucci, está esperançosa de que, nesse novo formato, o sistema finalmente deslanche e até o final do ano todas as 51 instituições federais de ensino tenham aderido. "A consulta do MEC serviu para demonstrar o grande interesse dos reitores e seu compromisso de estimular o programa, que aumenta a inclusão e a democratização do acesso ao ensino superior", acrescentou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG