Cemaden vai contar com apoio de instituto global para instalar centro de monitoramento de eventos naturais

O governo federal firmou nas últimas semanas um acordo com a organização sem fins lucrativos Planetary Skin Institute (PSI), de atuação global, para em alguns meses colocar em funcionamento pleno o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais ( Cemaden ).

Leia também: Sistema de alertas de desastres naturais fica para verão de 2013
Ministro comenta:
"Temos feito alertas de desastres com grande eficácia"
Mapa de áreas de risco: Veja as cidades de Sul e Sudeste que correm perigo

O acordo de cooperação técnica foi divulgado no exterior pelo PSI no dia 4, mas não teve anúncio oficial no País. Pela divulgação estrangeira, a parceria tem como meta acelerar o desenvolvimento do Cemaden “com uma visão de levá-lo posteriormente para a América Latina e o resto do mundo em desenvolvimento”.

Mais notícias sobre desastres no País:
Santa Catarina
: Pedra desce morro e deixa um morto
Rio:
Temporada de chuvas testa sistema de alertas carioca
Minas Gerais:
"Eles serão menores, mas nós teremos prejuízo"
Franco da Rocha:
"Não dou conta de mais uma enchente"
São Paulo:
"Espero pelo pior e posso perder tudo de novo"
Nordeste:
Veja especial sobre chuvas em 2011

Lançado neste ano, o Centro ainda não possui um sistema próprio para distribuir alertas com prazo entre 2 e 6 horas de antecedência quando houver risco de desmoronamento de terra ou acidente similar, como é sua meta. Por enquanto, os alertas são feitos pela Defesa Civil, entre outros meios de comunicação.

Pelo acordo ao qual o iG teve acesso, o PSI vai apoiar o ministério em “estreita colaboração”, fornecendo recursos humanos para conjuntamente gerenciarem a execução do programa ou sub-etapas, contribuir com especialistas para definir a infraestrutura de pesquisa e desenvolvimento e aplicativos necessários, além de aplicações geoespaciais por cinco anos.

Uma pessoa morreu em deslizamento no Morro da Mariquinha, em Florianópolis (SC), ontem
AE
Uma pessoa morreu em deslizamento no Morro da Mariquinha, em Florianópolis (SC), ontem
Segundo Carlos Nobre, secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do ministério, a participação do PSI no Cemaden não implica movimentação de recursos financeiros entre as partes. “O PSI é um dos parceiros no projeto e não é o maior. Nós vamos buscar conhecimento que precisamos e não dominamos."

Ainda de acordo com Nobre, o apoio do PSI será principalmente uma ajuda técnica para refinar modelos matemáticos que considerem as áreas de risco mapeadas e as variações climáticas. “É uma cooperação basicamente científica para desenvolver um sistema brasileiro visando a salvar vidas."

O Centro está desenvolvendo um sistema de monitoramento e distribuição de alertas de desastres naturais, que poderá ser levado a países parceiros, principalmente da América do Sul tropical, diz Nobre. O Cemaden já fez concurso para contratar os primeiros 75 funcionários e há meta de se chegar a 250 em quatro anos.

O Cemaden será instalado no campus do Centro de Previsão de Tempos e Estudos Climáticos (CPTec) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), como uma forma de fortalecer um sistema de previsão meteorológica que já existe. Nobre destaca, porém, que o Cemaden tem a mesma situação hierárquica que o Inpe dentro do ministério.

O PSI está instalando no mesmo local um laboratório de sistemas de inovação sobre alertas prévios, como uma parte do sistema colaborativo de trabalho.

De 1994 a 2003, 12 milhões de brasileiros foram afetados por diferentes desastres, destaca o PSI. Nos próximos quatro anos, o governo brasileiro tem meta de reduzir as fatalidades em 50% no prazo de 4 anos e em até 80% no período de 8 anos a partir de 2011.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.