Sinopse de imprensa - Negro ainda vive em região de porto, diz IBGE

Um estudo feito pelo IBGE a pedido da Secretaria Especial da Igualdade Racial da Presidência da República aponta que a distribuição da população negra no Brasil reflete ainda hoje a ocupação do País durante o período da escravidão. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Redação |

A partir dos dados do Censo de 2000, os pesquisadores apontaram uma coincidência entre a alta concentração de população negra (pretos e pardos autodeclarados ao IBGE) e os portos que atuaram como receptores de escravos: São Luís (MA), Salvador (BA), Recife (PE) e Rio de Janeiro (RJ), segundo o jornal.

O estudo mostra ainda a permanência dos negros em regiões para as quais eles se deslocaram de acordo com o desenvolvimento da economia durante a escravidão, como o litoral nordestino e o interior do Maranhão e do Piauí.

Integrantes do movimento negro reúnem-se nesta terça-feira à noite, em Brasília, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, para entregar um manifesto pelo acesso à educação. No dia em que a abolição da escravatura no Brasil completa 120 anos, eles defenderão cotas para negros nas universidades e investimento mínimo de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) no ensino.

Cabe ao STF tomar a decisão final em inúmeros processos judiciais contra o estabelecimento de reservas nas instituições de ensino superior.

Leia também

  • Há mais negros na universidade em cinco anos do que em uma década, afirma Seppir
  • No Rio, estudantes negros têm vagas exclusivas em quatro das sete universidades públicas
  • Estudantes cotistas enfrentam dificuldade para se manter na universidade
  • Uerj diz que desempenho de cotistas é positivo e nega conflitos por diferenças raciais
    • Leia tudo sobre: negronegros

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG