Sinopse de imprensa ¿ Ministério Público investiga outra obra da Camargo Corrêa

SÃO PAULO - O Ministério Público, que investiga supostas doações ilegais da Camargo Corrêa a partidos, incluirá a usina de Tucuruí, no Pará, no rol de obras sob suspeita de superfaturamento, informa a edição deste sábado do jornal ¿Folha de São Paulo¿. Segundo a ação, a obra das eclusas de Tucuruí foi orçada em R$ 230,6 milhões, dos quais R$ 6,8 milhões teriam sido desviados.

Redação |

Apontado pela Polícia Federal como coordenador da distribuição de doações da empreiteira Camargo Corrêa, Luiz Henrique Maia Bezerra, representante da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) em Brasília, é filho do ministro do Tribunal de Contas da União, Valmir Campelo. Bezerra não quis falar sobre o caso.

De acordo com a reportagem da Folha de São Paulo, transcrições de conversas telefônicas de diretores da construtora apontam que a Camargo Corrêa fez doações ilegais a partidos políticos, segundo interpretação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.

Senadores citados nos documentos da PF trataram de comprovar a legalidade de doações recebidas da construtora. O PSDB já solicitou ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que ele peça à Justiça acesso aos relatórios da PF.

Veja também:

Leia mais sobre: Camargo Corrêa

    Leia tudo sobre: camargo correa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG