GOIÁS - O juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 1ª Vara Criminal de Goiânia, autorizou o aborto de um feto portador da Síndrome de Cantrell, doença grave com pouca chance de sobrevivência. A decisão foi dada após pedido da mãe, a dona de casa T.J.S. As informações são da edição desta sexta-feira do Jornal O Estado de S. Paulo.

O juiz justificou sua decisão dizendo que é certa a morte do produto da concepção, não havendo procedimento médico capaz de corrigir a deficiência. Ele acrescentou ainda que havia riscos para a saúde e a vida da gestante, bem como os problemas psicológicos que só tendem a aumentar com o passar do tempo.

De acordo com o juiz, a anomalia do bebê é incurável. O aborto será realizado no Hospital Materno Infantil de Goiânia.

A Síndrome de Cantrell é uma doença rara, geralmente, diagnosticada no nascimento da criança, e se caracteriza por defeitos no diafragma, parede abdominal, pericárdio, coração e região inferior do osso esterno.

Ação sobre aborto

Uma ação sobre o aborto de fetos com anencefalia e malformação tramita no Supremo Federal desde 2004. Em setembro, houve uma audiência pública no Supremo que discutiu o assunto. O representante da Confederação Nacional dos Bispos de Brasil (CNBB), padre Luiz Antônio Bento, defendeu que ninguém pode autorizar que se dê a morte de um ser humano inocente, seja ele embrião, feto ou criança.

Leia mais sobre: aborto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.