Sinopse de imprensa: Índios são suspeitos de matar jovem e comer seus órgãos

MANAUS - Ao menos cinco índios da etnia culina são suspeitos de matar um jovem não-índio de 21 anos e de comer seus órgãos, em Envira (AM). As informações são do jornal ¿Folha de S. Paulo¿.

Redação |

Outros dois índios, que disseram ter testemunhado o crime, e o líder da tribo afirmaram à polícia que houve canibalismo.

Segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio), a prática antropofágica, se confirmada, é inédita entre os culinas, que mantém contato com não-indígenas desde o século 19.

No último dia 3, a vítima, Océlio de Carvalho, conduzia um boi, quando foi convidado pelos índios para ir até a aldeia Cacau, a cerca de 5 km do centro de Envira, segundo relato de testemunhas ao sargento da Polícia Militar José Carlos da Silva.

"Ele tinha uma leve deficiência mental. Era como criança, para onde chamavam, ele ia", disse Francisco Eudo, tio da vítima.

Segundo o sargento Silva, o grupo de culinas parou em uma ponte da aldeia e começou a beber o que chamam de "cabeça azul", álcool utilizado em limpeza. "Quando a vítima foi beber o álcool, um dos índios deu a primeira furada. Ele levou, no mínimo, 80 facadas", disse.

Segundo as testemunhas, os culinas partiram o corpo do jovem em dois e comeram o fígado, o coração e uma parte da coxa.

De acordo com o sargento, os índios devem ser indiciados por homicídio. Segundo a Funai, somente a Polícia Federal pode realizar investigação e prisões em terras indígenas. O órgão disse que um de seus técnicos elabora um relatório sobre o envolvimento dos índios no caso.

Leia mais sobre: canibalismo

    Leia tudo sobre: índios

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG