Sinopse de Imprensa: Curso revela fraude em Fundação Sarney

A edição deste domingo do jornal o Estado de S. Paulo traz reportagem sobre empresa de varejo que foi paga para ministrar aulas de história da arte na organização em São Luís ligada ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Redação |

Segundo o texto, a Sousa Premiere, cuja sede é uma casa de praia, foi paga com dinheiro de um convênio com a Petrobras, avaliado em R$ 1,3 milhão que tinha por intenção digitalizar o acervo da instituição. Na prática, porém, não haveria sinais de que o trabalho foi realizado.

Procurado pela reportagem do jornal, José Carlos Sousa, diretor da fundação, não soube dar maiores detalhes. "Não lembro todos os nomes de cabeça". E confirmou desconhecer o proprietário da empresa. "Adão de Jesus Souza? Não conheço"

Leia também:

  • Base governista "blinda" Sarney no Conselho de Ética 
  • Líder do PSDB pede que Ministério Público investigue fundação de Sarney
  • Lula fecha olhos para escândalos quando lhe convém, diz 'Economist'
  • Veja o relatório da comissão de sindicância sobre atos secretos
  • Sarney usou cargo para beneficiar fundação, diz jornal
  • Governistas decidem instalar CPI da Petrobras na terça-feira
  • Fundação de Sarney dá verba da Petrobras a empresas fantasmas
  • PT mantém decisão e sugere afastamento temporário de José Sarney

    Leia mais sobre: Sarney - Senado



    • Leia tudo sobre: fundação sarneysarneysenadosenadores

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG