O Brasil ainda mantém caixas-pretas nos órgãos federais, estaduais e municipais, que impedem que a sociedade saiba como são usadas as verbas públicas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Desde 2001, a Câmara e o Senado mantêm sob sigilo os gastos com as verbas indenizatórias - uma complementação do salário dos parlamentares com o objetivo de cobrir despesas extras que apareçam durante o exercício do mandato.

Apenas neste ano de 2009 a Mesa Diretora da Câmara decidiu tornar públicos esses gastos. Mas dará anistia a 1,5 milhão de notas fiscais anteriores à decisão - notas que foram apresentadas por deputados para justificar despesas e continuarão sendo desconhecidas da população. Já no Senado não há nenhuma medida no sentido de abrir esses gastos.

Nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais a situação é a mesma. Para o Executivo Federal, a Controladoria-Geral da União mantém o Portal da Transparência, que reduz o desconhecimento sobre as verbas públicas, mas não elimina a possibilidade de gastos ocultos, como se viu no caso dos cartões corporativos.

Leia mais sobre gastos públicos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.