Sinopse de imprensa - BNDES deu R$ 1 mi à ONG da mulher de Paulinho

A ONG Meu Guri Centro de Atendimento Biopsicossocial, presidida por Elza de Fátima Costa Pereira, mulher do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, recebeu do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) R$ 1,199 milhão em uma operação não-reembolsável. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Redação |

  • Corregedor acelera processo contra Paulinho
  • Paulinho deve ser levado para Conselho de Ética, diz corregedor
  • Paulinho iria desqualificar operação, diz procuradoria
  • PDT decide apoiar Paulinho até que haja provas contra deputado
  • Paulinho abre sigilos e diz "não tenho nada a ver" com corrupção
  • De acordo com a reportagem, ela foi aprovada em dezembro de 2000 e contratada em 27 de setembro de 2001, mas os repasses ocorreram em 2002 e 2003, período em que integrava o conselho de administração do BNDES o lobista João Pedro de Moura, amigo e ex-assessor de Paulinho. Moura é acusado pela Procuradoria da República de chefiar suposta quadrilha grampeada pela Polícia Federal na Operação Santa Tereza.

    De acordo com o BNDES, trata-se de um financiamento proveniente do Fundo Social da instituição, para realizar obras nas instalações da ONG, adquirir móveis, veículos, utensílios e capacitar empregados. O banco diz ainda que no momento não há nenhuma operação ativa com a ONG.

    A reportagem do jornal procurou Elza durante todo o dia de ontem, mas não obteve retorno.  

    Situação complicada

    O corregedor da Câmara dos Deputados, Inocêncio Oliveira (PR-PE), declarou nesta quinta-feira que as novas denúncias contra o deputado federal Paulinho da Força (PDT-SP) complicam cada vez mais o pedetista. 

    Paulinho é suspeito de envolvimento em um suposto esquema de desvio de verbas do BNDES investigado pela Polícia Federal. O corregedor disse que se a documentação da Procuradoria Geral da República (PGR) confirmar alguns fatos noticiados pela imprensa, poderá encaminhar o caso diretamente ao Conselho de Ética da Câmara ¿ onde um processo disciplinar pode resultar em cassação do mandato.

    Leia mais sobre: Operação Santa Tereza

      Leia tudo sobre: bndesoperação santa tereza

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG