Sinopse de imprensa: 60 deixam cargos de chefia da Receita e crise se agrava

Em um agravamento da crise na Receita Federal, cerca de 60 pessoas em postos de chefia, distribuídas em 5 das 10 superintendências regionais, avisaram na terça-feira seus superiores que deixarão suas funções. As informações são do jornal ¿Folha de S. Paulo¿.

Redação |

Agência Brasil

Ex-secretária da Receita, Lina Vieira

Somente no Estado de São Paulo, que concentra 42% da arrecadação nacional, foram cerca de 30 demissionários. Entre os quais Clair Hickman, responsável pela fiscalização do setor bancário no Estado, maior praça financeira do País.

Nos últimos dois dias, foram publicadas as exonerações de seis funcionários da Receita, sendo dois assessores de Lina. U um deles foi Iraneth Weiler, que confirmou o relato de sua ex-chefe sobre um encontro reservado com Erenice Guerra, assessora de Dilma.

O principal motivo do pedido de desligamento citado pelos demissionários em São Paulo é a provável mudança de foco na fiscalização.

Na avaliação dos servidores, a Receita não vai mais priorizar a fiscalização dos grandes contribuintes, mas, sim, será feita, nas palavras desses funcionários do fisco, sob "recibos médicos". Isso quer dizer que a Receita pode voltar a mirar pequenos contribuintes, trabalhadores assalariados e profissionais liberais.

Ingerência política

Na terça-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a negar que esteja havendo ingerência política na administração da Receita, como afirmam os demissionários. Ao ser questionado se haveria ingerência no órgão, Mantega respondeu: "Nada".

Leia também:

Leia mais sobre: Receita Federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG