Crianças com Síndrome de Down interagem de uma forma muito parecida com a de outras crianças, afirma pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP). Segundo o estudo, essa interação não tem comprometimento motor, cognitivo ou sensorial.

Na comparação em ambiente escolar, foi verificado que as crianças com a síndrome demoram mais para se aproximar pela primeira vez de outras crianças e imitam mais o comportamento de suas colegas.

A pesquisa filmou dois grupos dentro da sala de aula e em ambiente de lazer e recreação. Foram avaliadas habilidades interpessoais (brincar com outras crianças, estabelecer contato, brigar ou trocar agressões físicas, e disputar atenção de adultos) e autoexpressão (choro, riso, canto, isolamento e imitação de pessoas ao redor). Na análise comparativa, a terapeuta ocupacional Patrícia Páfaro observou que as crianças com Síndrome de Down imitaram outras crianças com maior frequência. “Eles observam e copiam mais, mas de um jeito próprio. Esses resultados condizem com o que já foi descrito na literatura”, explica.

No segundo quesito, o grupo sem a síndrome estabeleceu contato inicial com maior frequência. Segundo a pesquisadora, isso ocorreu provavelmente porque as crianças com Síndrome de Down costumam ser mais passivas. De acordo com Patrícia, o resultado do estudo reforça a importância da inclusão escolar das crianças e pode dar tranquilidade aos seus pais. “A pesquisa constatou que eles podem ter muito mais ganho na interação social do que se imagina”, afirma.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.