Sindicatos de aeroviários fecham acordos com empresas aéreas

As duas entidades que fecharam o acordo são do Estado do Amazonas e da cidade do Rio de Janeiro e terão reajuste salarial de 10%

Agência Brasil |

Dois sindicatos de aeroviários ligados à Força Sindical assinaram, há pouco, acordo trabalhista com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea). Segundo o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Transporte Aéreo (Fntta), Uébio José da Silva, os acordos foram fechados pelos sindicatos dos aeroviários do Estado do Amazonas e da cidade do Rio de Janeiro.

Greve: Funcionários de aeroportos marcam protesto e ameaçam parar no fim do ano

Movimento em 2011: Movimentação em aeroportos será 13,6% maior do que em 2010

De acordo com Silva, os trabalhadores e o sindicato patronal acordaram um reajuste salarial linear para todos os trabalhadores de 6,17%, o que equivale à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) entre dezembro de 2010 e novembro de 2011. Eles também concordaram com o aumento de 10% no piso salarial para auxiliar de serviços gerais, de manutenção de aeronaves, agente de proteção (raio X) e para mecânicos de manutenção. Também serão reajustados em 10% os valores dos vales refeição e da cesta básica. Está no acordo a criação do piso de R$ 1 mil para operador de equipamentos. Nos demais itens que tenham reflexos econômicos (diárias, seguros etc), será concedida a inflação do período (6,17%)

Os sindicatos de aeroviários (empregados de empresas aéreas que atuam na terra) e aeronautas (que trabalham a bordo das aeronaves) ligadas à Força Sindical ainda não haviam aprovado a paralisação, ao contrário das entidades ligadas à Central Única dos Trabalhadores (CUT), que aprovaram e mantém o indicativo de greve para o próximo dia 22 .

Para Silva, os acordos fechados nesta terça-feira desestimulam a categoria de cruzar os braços por uma diferença mínima entre o percentual reivindicado pelos trabalhadores e o percentual oferecido pelas empresas aéreas. Inicialmente, as duas centrais trabalhistas exigiam 13%. Já na reunião de segunda-feira (19), mediada pelo TST, as entidades ligadas à CUT pediam 7%, enquanto os da Força Sindical queriam 9%.

Silva diz que, juntas, as duas entidades que fecharam acordos nesta terça representam cerca de 25 mil trabalhadores. “São acordos razoáveis, mas melhores do que poderiam ser conquistados no Tribunal Superior do Trabalho, já que o tribunal limita o reajuste às perdas inflacionárias do período. “Eu não acredito em greve”, disse o sindicalista.

    Leia tudo sobre: aeroviáriosaeronautasgreveacordoempresas aéreas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG