Simule seu próprio funeral em uma mostra de arte em Viena

Por Sylvia Westall VIENA (Reuters) - Se você quiser ter certeza de que tudo sairá a contento naquele dia tão especial, faça um ensaio de seu próprio funeral em Viena, com música, flores e uma platéia.

Reuters |

Os artistas conceituais Gary O'Dwyer e Pierre Coinde estão incentivando pessoas na capital austríaca a se deitarem numa plataforma elevada branca, semelhante a um túmulo, na praça central da cidade, a Karlsplatz, ao som de uma música escolhida especialmente para a ocasião.

Sua instalação artística, que já passou por Frankfurt, Istambul, Toronto e Veneza, parece apropriada para Viena, cidade onde frequentemente se realizam funerais pomposos e que possui um dos poucos museus do mundo dedicados à morte.

"Algumas pessoas ficam curiosas, enquanto outras reagem horrorizadas, como se você as tivesse convidado a fazer algo terrível", disse O'Dwyer.

"Mas, para nós, o objetivo da instalação é nos lembrarmos da importância de viver. Ela oferece às pessoas a oportunidade de fazer uma declaração pessoal através de uma música."

Músicas clássicas são as mais escolhidas na cidade onde viveu Beethoven, mas algumas pessoas escolhem faixas mais irreverentes, como "I Will Survive", de Gloria Gaynor, ou "Rock me Amadeus", de Falco, um dos poucos sucessos pop internacionais da Áustria.

Florian Wagner, 24 anos, optou pela canção bizarra "Relax it's Only a Ghost", de Phantom/Ghost, enquanto permaneceu deitado sobre o falso túmulo, com a cabeça apoiada numa almofada vermelha, ao lado de um plinto decorado com flores.

Transeuntes a caminho de uma sala de concertos vizinha ficaram olhando para ele, espantados. Outros permaneceram no local, solenes, observando a cerimônia.

"É uma maneira de relaxar. Não é nada macabro, e proporciona uma oportunidade de refletir sobre a morte, o que é uma coisa boa", disse Wagner, vestido de preto, depois de levantar-se do túmulo, sorrindo.

Os artistas disseram que pessoas de nacionalidades diferentes reagem de maneiras distintas. Alguns italianos ficaram um pouco chocados com a proposta.

"Algumas pessoas pensam que é como tentar o destino ou tentar Deus", disse Coinde.

Alguns austríacos indagaram se a instalação tem alguma relação com o funeral de Estado do político direitista austríaco Joerg Haider, morto em 11 de outubro num acidente de carro.

"Ontem uma menininha veio falar conosco depois, chorando", disse Coinde. "Se a canção é alegre, as pessoas podem se sentir bem com a experiência, mas, se é triste, podem ficar muito emotivas."

Para mais informações: http://www.thecentreofattention .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG