Simpósio do Hospital Sírio-Libanês revela avanços no combate à doença

Simpósio do Hospital Sírio-Libanês revela avanços no combate à doença Por Adriana Bifulco São Paulo, 03 (AE) - Será realizado amanhã (4) e sábado (5), no Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, o I Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão: Avanços e Controvérsias. O evento tem como um dos coordenadores o diretor do centro de oncologia do Hospital Sírio-Libanês, doutor Antônio Buzaid, e contará com a participação de Adam Sandler, oncologista e professor de Medicina associado à Divisão de Oncologia/Hematologia do Centro Médico da Universidade Vanderbilt, em Nashiville - Tenneesse.

Agência Estado |

Ambos conversaram com exclusividade com a Agência Estado.

Segundo Buzaid, o fumo é responsável por 30% de todos os cânceres. "O câncer de pulmão começa nas células locais. É uma doença que, quando avançada, permanece incurável", enfatiza.

Adam Sandler explica que "o câncer é provocado por uma disfunção celular que altera o processo de divisão de ar nos pulmões, bronquíolos e alvéolos. A reprodução celular acontece de forma desordenada, resultando em lesão tumoral, ou seja, em um câncer de pulmão".

De acordo com o oncologista, esse mal se desenvolve mais comumente devido ao tabaco, que provoca danos genéticos intracelulares, o que faz com que as células cresçam sem controle, causando o tumor, que pode ter dois tipos.

"Existe o câncer de pequenas células e o de não pequenas células. E cada um deles é tratado de forma diferente", diz Buzaid.

"O primeiro é tratado com quimioterapia e, se for limitado a um dos lados do peito, pode ser tratado com radioterapia também. Já os cânceres de pulmão Não-pequenas células são tratados com cirurgia e, quando possível, seguido de quimioterapia. Se ele se espalhou para outros órgãos (metastático), é tratado com quimioterapia e também com um novo medicamento. Trata-se de um anticorpo monoclonal que ataca as veias sanguíneas do tumor. É o bevacizumabe (Avastin)", esclarece Sandler. "É um mecanismo de ação novo, que trabalha contra o recém-formado vaso sanguíneo do tumor. É um anticorpo que bloqueia a proteína produzida pelo tumor, chamada VGEF (Fator de Crescimento do Endotélio Vascular). Uma vez que não é quimioterapia, tem relativamente menos efeitos secundários ou colaterais", complementa. "É um avanço na medicina", comemora Buzaid.

Outro agente não-quimioterápico existente, segundo Sandler, é o Erlotinibe (Tarceva). "Este medicamento é uma molécula pequena oral, cujo alvo é a vida do receptor do fator de crescimento epidérmico humano (EGFR), comumente visto em células cancerosas. O tratamento com este medicamente é denominado terapia alvo e melhora a sobrevivência de doentes com câncer de não-pequenas células, cujo tumor cresceu mesmo tendo sido feita quimioterapia anteriormente".

"Os efeitos de ambos os tratamentos, declara o especialista, "têm sido importantes para nós pesquisadores". "Acredito que o mais excitante sobre câncer é que agora temos essa nova biologia para conhecermos. Existem mais de 200 novos agentes que estão sendo estudados, que têm preferencialmente como alvo as células cancerosas. Esperamos ainda uma cura para o câncer de pulmão!", enfatiza Sandler.

Prevenção - A única forma de se prevenir essa doença é parar de fumar ou não fumar. "Não há outra alternativa", garante Buzaid.

De acordo com o oncologista, o câncer de pulmão é "uma doença silenciosa". "Só é descoberta se detectada incidentalmente com exames de Raio X e tomografia. Quem apresenta sintomas (tosse com sangue, falta de ar, dor no tórax, pneumonia) o mal já está em estágio mais avançado", afirma Buzaid.

E até mesmo os chamados "fumantes passivos" precisam se precaver pois, de 10% a 15% dos cânceres de pulmão, segundo Sandler, acomete pessoas que nunca fumaram, principalmente mulheres.

SERVIÇO - Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão: Avanços e Controvérsias - dias: 4 e 5 de abril, das 8h30 às 18h. LOCAL:
IEP (Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês) -
R. Dona Adma Jafet, 91. Tel.: 3155-0200.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG