Sete pessoas devem ser indiciadas por acidente da TAM, diz delegado

SÃO PAULO - Sete pessoas devem ser citadas como responsáveis pelo maior acidente da história da aviação brasileira no relatório da Polícia Civil que será encaminhado ao Ministério Público. Em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, em São Paulo, o delegado Antonio Carlos Menezes Barbosa, que coordena as investigações sobre a queda do Airbus A320 da TAM, ocorrida em julho do ano passado, não informou os nomes nem os cargos dos possíveis indiciados, mas confirmou que a responsabilidade deve ser partilhada de sete a dez pessoas. Provavelmente, só sete.¿

Agência Brasil |

AP
Acidente aconteceu em julho de 2007
Acidente aconteceu em julho de 2007
"Já temos, mais ou menos, uma lista de quem vamos citar [no relatório]. Mas não vamos falar para não atrapalhar as investigações, afirmou Barbosa.

De acordo com o delegado, os indiciados devem responder pelos crimes de lesão corporal culposa e homicídio culposo, ou seja, sem intenção. Ele disse ainda que as investigações apontam negligência e imprudência como causas do acidente que matou 199 pessoas e feriu outras 15.

O delegado afirmou que o inquérito do caso deve ser concluído em outubro. Segundo ele, a polícia só aguarda a conclusão do laudo do Instituto de Criminalística, além da chegada de algumas cartas precatórias, com depoimento de diretores e ex-diretores da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) e sindicatos, para encerrar seu relatório de investigação.

Mas mesmo que as cartas não sejam remetidas, vamos suprir a falta dessas declarações com depoimentos feitos por essas pessoas na CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito] do Apagão Aéreo, complementou.

O laudo, disse o delegado, deve ficar pronto em meados de setembro. O perito Antonio Nogueira disse estar finalizando seus estudos. Entre as conclusões está a de que a pista do Aeroporto de Congonhas tinha a macrotextura dentro dos padrões exigidos. O requerido é que a pista tenha uma macrotextura de 0,5 milímetro ou mais. A pista de Congonhas tinha 0,6 milímetro, disse o perito, ressaltando, porém, que outras falhas na área de pouso colaboraram com o acidente.

A pista de Congonhas tem 1.940 metros de extensão. A pista mais curta de Cumbica tem 3.000 metros, complementou Nogueira. Em Cumbica, indiscutivelmente, o acidente poderia ter sido evitado.

Nogueira disse que não houve falha mecânica no manete usado para desacelerar o avião. Já fizemos vários testes e não constatamos falha mecânica. Agora, precisamos saber se o piloto errou ao não desacelerar o avião ou se algum outro fator fez com que ele mantivesse a aceleração.

Após a conclusão do relatório da polícia, o Ministério Público terá de enviar denúncia à Justiça com as conclusões do órgão  sobre a responsabilidade pelo acidente. Se a Justiça acatar a denúncia, os indiciados responderão a processo sobre o caso.

    Leia tudo sobre: tam

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG