Sete candidatos vão disputar eleições indiretas no DF

BRASÍLIA (Reuters) - Sete candidatos vão concorrer à eleição indireta para governador do Distrito Federal marcada para o próximo sábado, informou a assessoria da presidência da Câmara Legislativa. Este foi o resultado de análise sobre a legalidade do processo eleitoral realizada pela Mesa Diretora da Câmara nesta terça-feira. Inicialmente, dez candidatos se inscreveram para o mandato tampão de governador que vai até dezembro, mas apenas nove entregaram os documentos.

Reuters |

As chapas que apresentaram toda a documentação necessária têm os seguintes candidatos a governador: Aguinaldo de Jesus (PRB), Luiz Filipe Coelho (PTB), Antonio Ibañez Ruiz (PT), Rogério Rosso (PMDB), José Messias de Souza (PC do B), Nilton Reis (PV) e Wilson Lima (PR), atual governador.

Ficaram de fora as candidaturas do PSL/PTN e do PRTB. Pouco antes do final do prazo, na segunda-feira, o candidato a governador pelo PSDC, Virgílio Macedo, renunciou à chapa, ficando de fora da análise desta terça-feira.

Dentre a documentação exigida para os candidatos, estão plano de governo, estatuto de partidos, comprovação de filiação partidária, certidão criminal e declaração de bens. Os deputados decidiram por uma flexibilização para o tempo de filiação partidária como medida para poder aceitar as candidaturas.

"Brasília está vivendo um caso excepcional, uma situação atípica", justificou o presidente em exercício da Câmara, deputado Cabo Patrício, ao comentar a flexibilização concedida aos candidatos.

A crise no DF vem desde novembro do ano passado, quando o estão governador José Roberto Arruda (ex-DEM) foi flagrado em vídeo recebendo dinheiro de um então aliado. A gravação foi feita por câmeras escondidas e o dinheiro faria parte de um esquema de arrecadação e distribuição de propina no governo do Distrito Federal que teria Arruda como mandante. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal.

Arruda, acusado de tentar subornar uma testemunha do caso, foi solto na segunda-feira após dois meses preso na PF. Ele também teve o mandato cassado. Antes, foi substituído pelo vice, Paulo Octávio, que renunciou dias depois.

Assumiu o posto o deputado distrital Wilson Lima, então presidente interino da Câmara Distrital. Ele é um dos principais candidatos às eleições indiretas que serão decididas por 24 deputados.

(Reportagem de Bruno Peres)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG