BRASÍLIA - A nona reunião da CPI da Petrobras foi suspensa e transferida para a próxima terça-feira (06/09), no mesmo horário, às 14h, no Senado. A decisão foi tomada pelo presidente da CPI, o senador petista João Pedro (AM), para evitar que a sessão ficasse desfalcada.


Outro fato que ajudou no esvaziamento da sessão foi a audiência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional com a presença do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim para discutir a ação do governo brasileiro no asilo ao presidente deposto Manuel Zelaya, em Honduras.

Dos três convidados para depor, apenas um chegou ao local no horário, o engenheiro sênior da Petrobras, Ilton José Rosseto Filho. O procurador Carlos Alberto Gomes de Aguiar foi avisou que perdeu o vôo, mas que estava a caminho de Brasília. E o delegado federal, Claudio Nogueira, responsável pela Operação Águas Profundas, mandou um atestado de saúde, justificando a ausência dele na sessão.

Com isso, o senador João Pedro optou pela suspensão e transferência da reunião com os mesmos convidados para a próxima semana. Não prejudica no conteúdo, o que poderia prejudicar seria se tivéssemos mantido com as ausências dos convidados, alegou.

Segundo o parlamentar, o cancelamento não irá atrapalhar os trabalhos da CPI, que tem, por regimento, 180 dias para concluir as tarefas e deve se encerrar em fevereiro de 2010.

Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.