Servidores de Belo Horizonte fazem paralisação de 24 horas

Protesto é pela demora da Câmara dos Vereadores em votar lei que promove o reajuste dos salários dos servidores

AE |

selo

Os servidores públicos de Belo Horizonte iniciaram nesta quinta-feira uma paralisação de 24 horas de suas atividades, como protesto pela demora da Câmara Municipal dos Vereadores em votar o Projeto de Lei 1.17410, que promove o reajuste dos seus salários. O projeto tramita desde o dia 23 de junho, segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel). 

A categoria também reivindica a correção do substitutivo do Artigo 7º (bonificação) do Projeto de Lei que reajusta os salários dos servidores, porém mantendo o pagamento do 14º salário aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), Agentes de Combate a Endemias(ACE) e aos Agentes Sanitários - conquista alcançada na última greve. Além disso, os grevistas pedem a aprovação da medida pelos vereadores em caráter de urgência. 

A manifestação, com aproximadamente 500 participantes, foi em frente à sede da prefeitura da capital mineira e contou com o apoio do sindicato dos funcionários públicos na área da Educação, que não aderiu à paralisação. O protesto terminou por volta das 11h30. 

Na próxima segunda-feira, 4, os dois sindicatos irão à Câmara Municipal para tentar agendar uma data para a votação do projeto, segundo o Sindibel. Segundo balanço parcial do sindicato, 80% das unidades de saúde tiveram problemas de funcionamento por conta da paralisação de 24 horas. A cidade possui cerca de 40 mil funcionários.

    Leia tudo sobre: Belo horizontegreve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG