SÃO PAULO (Reuters) - Depois de ver sua liderança ameaçada, o governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, voltou a crescer e ampliou sua vantagem sobre a ministra Dilma Rousseff, do PT, mostrou pesquisa do Datafolha. Segundo a sondagem, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo neste sábado, o tucano subiu para 36 por cento, em relação aos 32 por cento do mês passado, enquanto a petista oscilou negativamente 1 ponto percentual, para 27 por cento.

O deputado Ciro Gomes (PSB) também teve uma variação negativa de 1 ponto, para 11 por cento, enquanto a senadora Marina Silva (PV) se manteve com 8 por cento das intenções de voto.

Ainda segundo o levantamento, 11 por cento estão indecisos, enquanto 7 por cento disseram que pretendem votar em branco, anular o voto ou não votar em nenhum desses pré-candidatos.

No cenário sem Ciro, Serra aparece com 40 por cento, Dilma com 30 por cento e Marina com 10 por cento. Há um mês, neste quadro, o governador paulista tinha 38 por cento, a petista 31 por cento e a senadora do PV os mesmos 10 por cento.

Também num eventual segundo turno, a vantagem de Serra subiu para 9 pontos: 48 contra 39 por cento de Dilma. Em fevereiro o placar era 45 a 41 por cento.

Mas nas respostas espontâneas, a ministra lidera, com 12 por cento, contra 8 por cento de Serra. E no quesito rejeição, o líder é Ciro, com 26 por cento, seguido pelo tucano (25 por cento), Dilma (23 por cento) e Marina (22 por cento).

O Datafolha ouviu 4.158 eleitores nos dias 25 e 26. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

SERRA DISPARA NO SUL

Por regiões do país, o governador paulista saltou 10 pontos na Região Sul, passando para 48 por cento, enquanto Dilma caiu 4 pontos, para 20 por cento das intenções de voto.

O melhor desempenho da ministra continua sendo no Nordeste, mas mesmo nessa região ela perdeu fôlego, oscilando negativamente 1 ponto, para 35 por cento, enquanto Serra subiu 3 pontos, para 25 por cento. No Sudeste, o tucano passou de 38 para 40 por cento, enquanto Dilma se manteve com 24 por cento.

Outro fator para o avanço de Serra, segundo o Datafolha, foi sua melhora entre os mais pobres. O pré-candidato do PSDB subiu de 30 para 35 por cento das intenções de voto entre os que ganham até dois salários mínimos. Já Dilma caiu de 29 para 26 por cento nessa faixa de renda.

Pesquisa Ibope realizada entre os dias 6 e 10 mostrava Serra com 35 por cento das intenções de voto e Dilma com 30 por cento.

(Por Alexandre Caverni)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.